Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Tricampeonato mundial da Argentina consagra para sempre o genial Messi

Aos 35 anos, o craque agora é instalado acima de Diego Armando Maradona, o mercurial 10 da geração anterior

Por Fábio Altman, de Doha
Atualizado em 4 jun 2024, 10h56 - Publicado em 23 dez 2022, 06h00

Em suas redes sociais, a ágora onde tudo acontece, Lionel Messi apareceu dormindo com a taça dourada numa cama do hotel instalado dentro do Aeroporto de Ezeiza, no subúrbio portenho. Horas depois, na manhã de terça-feira 20 de dezembro, ele e a delegação campeã do mundo desfilariam por Buenos Aires, em dia de feriado oficial. Era a consagração do novo rei do futebol, o líder da seleção tricampeã do mundo no Catar. Aos 35 anos, Messi parece ter posto fim a um embate que rondava corações e mentes dos torcedores alvicelestes desde sempre: o genial 10, que trocou o Barcelona pelo PSG em 2021, chegaria aos pés de Diego Armando Maradona? A resposta: sim, ele chegou.

Na Argentina, o tango dramático do cotidiano impusera uma contradição: um ou outro, tão diferentes na origem, na vida, na postura. Maradona era o menino pobre do chão de terra de um bairro simplório. Messi é o garoto de Rosário, que cedo se mudou para Barcelona. Ele sabia que para poder bater na porta do panteão precisaria não apenas chegar ao título mundial, mas avançar em toada à Maradona, ainda que fosse uma contradição em termos para uma personalidade tão retraída. Mas Messi deu um jeito. Na área de entrevistas para a imprensa depois da vitória por pênaltis contra a Holanda, nas quartas de final, disparou uma bronca contra o centroavante holandês Wout Weg­horst, que empatara a partida, levando-a para a prorrogação. A diatribe, um pouco deslocada, quase risível, virou meme (embora tenha sido apenas um mal-entendido, porque o europeu se aproximara apenas para lhe pedir a camisa): “¿Qué mirás, bobo? Andá p’allá!”. Maradona teria dito isso, mas de um modo mais mercurial, é bom ressaltar. A frase serviu de senha para o nascimento de um novo Messi, em fim de carreira, ainda que soasse estranha ao jeito alheio do craque. Era Messi saindo de seu casulo.

No Catar ele marcou sete gols — um a menos que o francês Mbappé, autor de três tentos na mais espetacular final de Copa de toda a história, que mereceria nunca acabar. O 3 x 3 nos 120 minutos e a disputa de pênaltis foram uma ode à beleza do futebol e moldura perfeita para a coroação do genial e nada genioso canhoto.

Publicado em VEJA de 28 de dezembro de 2022, edição nº 2821

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.