Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Tite lembra Ponte para dizer que Timão soube evitar ‘Deus nos acuda’

Por Da Redação 10 Maio 2012, 02h22

O amadurecimento após a derrota para a Ponte Preta na semifinal do Campeonato Paulista foi fundamental para o Corinthians eliminar o Emelec nas oitavas de final da Libertadores sem correr grandes riscos, com vitória por 3 a 0 nesta quarta. É o que diz o técnico Tite, satisfeito por não ter visto o duelo no Pacaembu virar um ‘Deus nos acuda’.

‘Nós ficamos muito chateados porque não passamos de fase depois da campanha que fizemos (liderança da primeira fase no Estadual). Mas o grupo teve capacidade de indignação, não pode achar normal’, discursou o comandante, lembrando que o aprendizado foi colocado à prova a partir do jogo de ida contra os equatorianos, quando o elenco teve dificuldade para controlar a irritação com uma arbitragem supostamente tendenciosa no empate sem gols.’Tenho que enaltecer a mobilização do grupo todo. Essa equipe que se classificou hoje (quarta) ficou 40 minutos com dez em campo (Jorge Henrique foi expulso), correu sérios riscos de tomar dois, três gols e estar chorando por ficar fora. Manteve o placar lá só porque esteve consciente e muito organizada’, acrescentou.

Se saísse em desvantagem em São Paulo, o Corinthians seria obrigado a virar o jogo. ‘Entramos em campo assim: ‘se tomar um gol, vira um Deus nos acuda’. Não era assim? Mas teve capacidade forte de concentração, porque cada escanteio deles era bola dentro da área’, analisou Tite, salientando que o mérito alvinegro não se resumiu a não tomar gol, já que Fábio Santos só precisou de sete minutos para abrir a contagem.

‘Poderia ter feito 2 a 0 no primeiro tempo, criou oportunidades. Coloquei que nós só iríamos de alguma forma ficar tranquilos fazendo 2 a 0. No intervalo, falei: está 1 a 0, mas combinamos de administrar o resultado só nos cinco, dez minutos finais’, emendou Tite, que foi atendido pelos jogadores e ainda viu mais dois gols na etapa complementar, com Paulinho e Alex.

O Emelec até teve momentos de maior posse de bola, mas o domínio dos brasileiros foi bem amplo. ‘Toda vez que se tiver dois terços do jogo com domínio, vai se criar chance e se ter a chance de vencer o jogo. No outro terço, é inevitável que o adversário tenha posse de bola, só não pode criar oportunidade de gol. Conseguimos’, concluiu.

O próximo adversário do Corinthians é o Vasco, provavelmente nas duas próximas quartas, primeiro no Rio de Janeiro, depois em São Paulo.

Continua após a publicidade
Publicidade