Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

Polícia prende outra quadrilha internacional de cambistas

Depois de descobrir um grupo ligado à THG, que havia atuado na Copa de 2014, agentes desarticulam núcleo de franceses que vendia ingressos olímpicos

Por Leslie Leitão e Maria Clara Vieira Atualizado em 8 ago 2016, 18h58 - Publicado em 8 ago 2016, 09h41

O Núcleo de Grandes Eventos da Polícia Civil  do Rio de Janeiro começou a desarticular a segunda quadrilha internacional de cambistas em menos de 72 horas. Os dois grupos, distintos, atuam na revenda de ingressos para os Jogos Olímpicos. Horas antes da Cerimônia de Abertura, na última sexta-feira, um irlandês ligado à THG Sports foi preso e uma mulher detida, como revelou o site de VEJA. No fim de semana, os alvos foram de origem francesa. Os agentes prenderam três pessoas, que ainda não tiveram seus nomes divulgados, próximo a duas das principais áreas de evento: o Engenhão e o Parque Olímpico.

LEIA TAMBÉM:
Zebra na Rio-2016: Djokovic é eliminado e chora
Programação completa desta segunda-feira

A Polícia Civil vai dar uma entrevista coletiva hoje para explicar como atuavam os dois grupos. O site de VEJA apurou, entretanto, que a uma brasileira está sendo investigada por integrar a quadrilha de franceses. Isso porque alguns ingressos que estavam sendo revendidos no mercado negro haviam sido comprados em seu nome. A conexão foi feita porque bilhetes com o nome da mesma compradora foram encontrados com franceses diferentes.

Ingressos em cofre de hotel 

Em relação aos presos da última sexta-feira, a Justiça divulgou o nome de um deles: é o irlandês Kevin James Marlen. Autuado em flagrante enquanto comercializava bilhetes para a cerimônia de abertura por até 25.000, ele teve a prisão temporária foi expedida pelo juiz Roberto Faria de Souza, do Juizado do Torcedor e Grandes Eventos. A busca e apreensão feita em seu quarto no Hotel Next Flat, na Barra da Tijuca, na zona oeste da cidade, também encontrou, dentro de um cofre, mais de 500 ingressos para praticamente todos os eventos da Olimpíada, inclusive os mais concorridos.

Outra detida no mesmo dia foi uma brasileira, que acabou autuada pela prática do crime de Marketing por Emboscada previsto na Lei Excepcional das Olimpíadas 2016. Funcionária da THG há três meses, ela foi contratada pra atuar como intérprete.

Kevin James Mallon é um dos diretores da empresa THG, controlado pelo grupo do inglês Marcus Evans, o mesmo que estava envolvido com a máfia dos ingressos na Copa do Mundo de 2014 , quando o CEO da empresa, James Sinton, acabou preso. Após pagar fiança, ele foi embora do Brasil e não voltou mais.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)