Clique e assine a partir de 9,90/mês

“Parem de brigar no Planalto”, diz Isaquias Queiroz

Esbanjando confiança, atleta medalhista de prata na canoagem promete ouro em 2020 e aproveita para criticar políticos em Brasília

Por Thiago Prado - Atualizado em 16 ago 2016, 17h53 - Publicado em 16 ago 2016, 12h28

Medalha de prata para o Brasil nesta manhã, o canoísta Isaquias Queiroz é daqueles atletas que esbanjam confiança a cada palavra dita. O baiano de 22 anos perdeu o topo do pódio por apenas dois segundos para o alemão Sebastian Brendel na categoria C1 1000 metros, mas saiu das águas do Estádio da Lagoa feliz da vida. Elogiou o seu técnico espanhol Jesús Morlan, projetou a medalha de ouro na próxima Olimpíada e sobrou tempo até para  dar uma estocada de leve nos políticos brasileiros:

“O esporte pode mudar a vida de vários jovens e precisa de investimento do governo. Parem de brigar no Planalto”, afirmou o atleta que ainda poderá trazer mais duas medalhas para o Brasil até sexta-feira. “Meu treinador já deve estar louco para eu voltar para a água. Sem ele não teria ganho a medalha. Só talento não adianta, é preciso um cara para lapidar o diamante”, disse.

LEIA TAMBÉM:
E quem disse que você nunca torceria pela canoagem?
Derrotado por Thiago, francês reclama de vaias do brasileiro
Isaquias Queiroz é prata na canoagem C1 1000
Edições digitais de VEJA com as melhores fotos da Olimpíada

Com muita noção do seu papel como um novo ídolo da canoagem, Isaquias sentenciou o que espera para os próximos anos: “Todo mundo sabia que o alemão era muito bom, sou fã dele. É um monstro, bicampeão olímpico. Mas vou tirar esse tri dele” brincou. “Eu vim para fazer história e ela já está sendo escrita”, concluiu.

Continua após a publicidade
Publicidade