Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

‘Neymar é um champanhe, Ganso é um vinho Bordeaux’

Presidente do Santos diz que personalidade de jogadores são opostas, mas condições de carreira oferecidas foram as mesmas. Ganso não quis

Por Da Redação - 3 jan 2012, 12h35

O presidente do Santos, Luis Álvaro de Oliveira Ribeiro, convocou entrevista na manhã desta terça-feira, na Vila Belmiro, e disse que a venda dos 10% dos direitos econômicos de Ganso para a DIS não muda em nada a relação do clube com ele. Ele disse ainda que foi oferecido a Ganso um plano de carreira parecido ao de Neymar e que as duas grandes estrelas do clube têm personalidades bem diferentes: “O Neymar é um champanhe, borbulhante, mais explosivo, enquanto o Ganso é um vinho Bordeaux, mais quieto, mais introspectivo.”

Ribeiro disse que apesar das personalidades opostas as condições de contrato apresentadas a ambos foram muito parecidas. “Os procuradores do Ganso, diante de um plano de carreira muito parecido com o do Neymar, disseram não, e, na minha opinião, cometeram um crime contra o atleta. Não se pode esquecer que depois desse plano, o Neymar explodiu e foi o jogador brasileiro que mais ganhou dinheiro com o seu talento e o brilho do seu carisma. Entretanto, reconhecemos que há um disparate no salário do Ganso, principalmente em relação ao Neymar e isso precisa ser corrigido.”

Segundo ele, “essa situação não muda rigorosamente nada a nossa relação com o Ganso. Até porque, ele tem contrato até 2015 e é jogador do Santos. E os direitos econômicos nada mais são do que uma ficção, pois uma empresa não tem direito a participar da decisão dos direitos federativos de qualquer atleta. A Fifa só reconhece os direitos federativos. Agora, essa compra talvez tenha sido feita pela DIS porque ficou mais do que evidente o prejuízo que o Ganso teve ao não aceitar um plano de carreira muito semelhante aquele que foi oferecido ao Neymar’.

Ribeiro disse ainda que procurou o jogador “cinco ou seis vezes para conversar sobre isso, só que ele preferiu ouvir os seus procuradores”. E falou que não se pode comparar Neymar a Ganso, pois existe grande diferença de comportamento entre os dois. “Temos consciência de que o jogador está feliz no Santos. Temos um clube que oferece todas as condições para um atleta se desenvolver. E sabemos que o contrato dele está defasado. Vamos sentar e resolver esse assunto em janeiro.”

Publicidade

(Com agência Gazeta Press)

Publicidade