Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana

Gabriel Jesus revela broncas da mãe: ‘Pior zagueiro’

Destaque da seleção brasileira na vitória sobre o Equador, atacante do Palmeiras esperava parabéns, mas recebeu uma dura da mãe após a partida

Por da redação 5 set 2016, 10h01

O atacante Gabriel Jesus, destaque da seleção brasileira na vitória sobre o Equador, está se tornando um tormento para os zagueiros. Mas ainda sofre com um marcador implacável, que jamais lhe dá espaço: sua mãe, Vera. O atacante de 19 anos revelou neste domingo, em entrevista na Arena da Amazônia, em Manaus, que sua mãe é bastante rigorosa e cobra até mesmo quando o filho se destaca. “Ela pega firme”, brinca o jogador do Palmeiras, que em janeiro jogará pelo Manchester City.

Gabriel Jesus revelou que, após a vitória por 3 a 0 em Quito, correu para o celular, esperando receber parabéns da mãe. Acabou levando uma dura. “Ela falou: ‘Gabriel, aprende, fica de olho pra você não ficar impedido’. Você ficou duas vezes”, brincou o jogador. “Ela nem deu parabéns pelo gol (risos). Ela me cobra mais do que elogia. É uma pessoa que sempre pega firme, eu falei que o comentário podia ser um pouquinho melhor.”

Leia também:
‘Fenômeno’, Gabriel Jesus se apresenta à imprensa estrangeira
Gabriel Jesus celebra estreia perfeita: ‘Tite me deu confiança’

‘Running man’, a dança que contagiou Neymar e outros boleiros

Gabriel Jesus definiu Dona Vera como o pior zagueiro que já enfrentou, mas demonstrou gratidão pela mulher que criou, sozinha, ele e seus três irmãos. Segundo Gabriel, a base familiar, o apoio e as cobranças o ajudam a não se deslumbrar com o sucesso. “Eu sou isso que demonstro, apesar de ser garoto, 19 anos, tenho muita responsabilidade desde cedo. Minha mãe sempre pegando no meu pé, mas eu sempre vou querer mais.”

“Minha cabeça fica tranquila. Não fui só eu o responsável pela vitória. Foi toda a equipe. Às vezes, quem faz o gol sai como herói, mas a equipe toda se comportou bem taticamente, soube jogar, ficou com a bola no pé.”

Gabriel Jesus espera uma partida dura contra a Colômbia nesta terça-feira, torce para que não seja violenta – como ocorreu nas Olimpíadas – e garantiu que vai repetir a dedicação mostrada contra o Equador. “Eu procuro cumprir todas as funções táticas que o técnico me passa. Sei que isso ajuda a equipe, faço o máximo que posso.”

Continua após a publicidade
Publicidade