Deu ruim para a Fifa: estreia desastrosa do árbitro de vídeo

Árbitro de vídeo marcou pênalti (que ocorreu) a favor do Kashima Antlers diante do Atlético Nacional, mas ignorou impedimento na origem do lance

Por da redação - Atualizado em 14 dez 2016, 13h16 - Publicado em 14 dez 2016, 09h51

O Mundial de Clubes da Fifa de 2016 marcou a estreia oficial do árbitro de vídeo, o recurso eletrônico que visa diminuir os erros de arbitragem no futebol. No entanto, logo no primeiro lance em que a ajuda externa se fez necessária, a jogada gerou enorme discussão na manhã deste quarta-feira, na vitória do Kashima Antlers por 3 a 0 sobre o Atlético Nacional, em Osaka.

A equipe japonesa marcou o primeiro gol em um lance controverso e decidido pelo árbitro de vídeo. Aos 27 minutos, Orlando Berrío derrubou Nishi Daigo na área, em lance ignorado pelo árbitro húngaro Viktor Kassai. No entanto, informado pelo árbitro de vídeo, Kassai assinalou a penalidade que realmente ocorreu. O problema é que, na origem da jogada, Daigo estava impedido.

Teve início então a discussão nas redes sociais e programas de televisão. Até mesmo os principais comentaristas de arbitragem divergiram. O ex-juiz Carlos Eugênio Simon, da Fox Sports, considerou que o pênalti foi bem marcado, já que, segundo ele, a bola não foi para Daigo, o que, portanto, excluiria a tese de impedimento.

Já Arnaldo Cézar Coelho, da Rede Globo, participou do programa Redação, do SporTV, viu impedimento no lance e considerou um erro grave do árbitro de vídeo. “A ideia da Fifa é boa, mas aproveitaram o Natal e deram um brinquedo para uma criança brincar, em pleno Mundial de Clubes. O Atlético Nacional foi muito prejudicado”, disse Arnaldo. Muitos torcedores do Atlético Nacional da equipe colombiana também protestaram nas redes sociais. Abaixo, o lance que gerou controvérsia.

Publicidade

Publicidade