Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Empolgado com segunda medalha, Baby promete ‘tentar a terceira’

Torcida que vibrava com cada golpe ou punição aos adversários emocionou o atleta

Por Da redação
Atualizado em 12 ago 2016, 19h34 - Publicado em 12 ago 2016, 19h17

Depois de entrar para história do judô brasileiro ao conquistar o segundo bronze olímpico, o judoca Rafael Silva, o Baby, avisou que irá em busca da terceira medalha em Tóquio 2020.

Baby caiu nas quartas de final para o “fenômeno” francês Teddy Riner, que repetiu o ouro de Londres no Rio de Janeiro, mas, assim como na capital londrina há quatro anos, soube se recuperar e saiu da Arena Carioca 2 com uma nova medalha no peito.

“Vou tentar (a terceira medalha). Tenho que vivenciar ano a ano, cada competição. E vamos ver o que acontece”, afirmou Baby após a nova conquista.

Apenas outros quatro judocas brasileiros têm duas medalhas olímpicas. Ontem, Mayra Aguiar se tornou a primeira a mulher a atingir tal feito, também com dois bronzes. Antes de Baby, entre os homens, Aurélio Miguel, Tiago Camilo e Leandro Guilheiro tinham subido ao pódio olímpico em duas oportunidades.

“Está caindo a ficha ainda. Eu dei um abraço no Leandro (Guilheiro), conversamos um pouco antes das minhas disputas aqui na tarde. Estou feliz de desenvolver meu judô, de conseguir colocar isso no tatame em uma competição importante como essa, tudo que eu venho trabalhando, evoluindo. Estou feliz de ter lutado bem”, ressaltou Baby, quando perguntado sobre a entrada no seleto grupo.

Continua após a publicidade

Leia também:
Mayra Aguiar vence cubana e conquista a medalha de bronze
‘Pensei no quanto é bom ser medalhista olímpica’, diz Mayra
Rafaela Silva conquista o primeiro ouro do Brasil na Rio-2016
Edições digitais de VEJA com as melhores fotos da Olimpíada

Fora a recuperação dentro da própria competição, Rafael Silva viveu um ciclo difícil. O judoca sofreu uma lesão muscular que o tirou da disputa dos Jogos Pan-Americanos de Toronto, em 2015. No entanto, se reergueu e fez história.

“Estou feliz demais com essa conquista. Medalha em casa é diferente, a torcida influenciou bastante a cada shido e a cada projeção que eu fiz. Depois de uma lesão grave em 2015, tive muita fé, Deus me ajudou bastante a me recuperar, a ter essa confiança para voltar a lutar bem. Essa medalha vem para coroar todo esse trabalho”, destacou Baby.

Para o judoca sul-matogrossense, a medalha de hoje teve um “gostinho a mais”. Não só por ter sido a vitória da superação de vários problemas, mas também pela presença da torcida brasileira na Arena Carioca 2, que emocionou o atleta durante as lutas.

Continua após a publicidade

“É difícil comparar. Acho que hoje eu fiz uma luta dura com o Teddy (Riner), lutei com adversários diferentes, foi tudo diferente. Vim de uma recuperação, então teve um gostinho a mais, também por estar em casa, com a torcida. Era uma gritaria que emocionava muito”, disse o brasileiro, avaliando também a luta que o tirou de uma possível disputa do ouro.

“Foi uma luta difícil (contra o Teddy). Eu fui para tentar jogar ele no chão. Sabia que no shido (punição) seria difícil, ele é um adversário duro, mas atrapalhei, dei uma canseira nele. É um privilégio fazer parte da geração desse cara. Ele é diferenciado”, concluiu Baby.

(Com agência EFE)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.