Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Com balão amarelo, torcida pede Leão fora e grita ‘Luis pipoqueiro’

Após ser eliminado pelo Coritiba nas semifinais da Copa do Brasil, o São Paulo escapou de protestos ao desembarcar na capital e no treino de sexta-feira. Mas, neste sábado, o time sentirá a revolta da torcida. Cerca de 200 são-paulinos levaram ao Canindé faixas, balões amarelos e gritos para pressionar principalmente Emerson Leão e Luis Fabiano antes do jogo contra a Portuguesa.

Os protestantes se reuniram em frente a uma churrascaria para se manifestar. O coro mais forte era ‘Leão, pede demissão’. Luis Fabiano, suspenso da partida deste fim de semana, foi chamado de ‘Luis pipoqueiro’, em ação similar à de sua saída do clube em 2004 – em entrevista à Gazeta Esportiva.Net, em janeiro, o camisa 9 disse que não aceitaria ser chamado de pipoqueiro novamente.

As faixas, expostas somente do lado de fora do estádio da Lusa por torcedores que usavam narizes de palhaço, eram de ‘Leão pede demissão’, ‘Time de m..’, ‘Queremos jogador’ e ‘Milton Cruz olheiro e observador ou agente de jogador, isso pode?’, atacando o coordenador técnico do Tricolor. Nos gritos, além do treinador e do artilheiro, o foco estava até nos reservas.

Entre os titulares, Lucas foi xingado, assim como Cícero e Denilson. Paulo Miranda ouviu o grito ‘ai que bom seria, se o Paulo Miranda voltasse pro Bahia’, Jadson ouviu que seu futebol é de ‘segunda divisão’ e Denis foi chamado de ‘mão de alface’. A zaga também foi chamada de ‘a pior do Brasil’. Entre os que costumam ficar no banco, Fernandinho e Maicon foram atacados com palavrões.

Os revoltados entraram no Canindé gritando ‘queremos jogador’ e ‘time sem vergonha’ balançando suas bexigas amarelas. E a promessa dos membros da principal organizada são-paulina é de entoar os cânticos durante os 90 minutos. A equipe pisou no campo sob intensa vaia e o grito ‘Não é mole, não. Estou cansado de time amarelão’.

O protesto é bem similar ao ocorrido depois da eliminação na semifinal da Libertadores de 2004, para o Once Caldas. No jogo seguinte, uma derrota para o Palmeiras no Pacaembu, Rogério Ceni foi chamado de ‘frangueiro’ e até pensou em sair do clube, enquanto Luis Fabiano, pouco depois, foi negociado com o Porto, de Portugal.