Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Operário morre durante desmontagem de instalações da Rio-2016

O Comitê Organizador da Rio-2016 confirmou o falecimento e colocou a culpa nas empresas terceirizadas contratadas para o serviço

Por Da redação 6 out 2016, 10h52

Uma tragédia ocorreu nesta quarta-feira durante desmontagem de instalações dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro: um operário morreu e outro perdeu uma perna em dois acidentes. O Comitê Organizador da Rio-2016 confirmou o ocorrido e disse que a responsabilidade por possíveis falhas é das empresas terceirizadas.

“A gente não tinha nenhum controle sobre essas ocorrências, foram em instalações nossas em operações terceirizadas e nos dois acidentes ocorreram erros primários. A culpa não é nossa, é de quem contrata os funcionários, seja ele de menor ou maior qualidade”, afirmou o diretor de comunicação do Comitê da Rio-2016, Mario Andrada.

Para o Ministério Público do Trabalho (MPT), o Comitê não pode se eximir de responsabilidades por ter terceirizado os serviços dos Jogos. “Quando você contrata um terceirizado, você tem que fiscalizar e ficar atento para saber se está cumprindo a lei. No fim das contas, chegando ao Judiciário, há responsabilização sim do contratante (Comitê)”, afirmou Vivian Mattos, procuradora do MPT .

Segundo um funcionário das empresas contratadas, que quis manter o anonimato, a segurança dos trabalhadores está fragilizada e ameaçada desde que o Comitê dispensou mais de 100 fiscais de segurança do trabalho que seriam responsáveis por acompanhar a desmontagem.

Nos últimos dias, outros acidentes ocorreram: um operário morreu eletrocutado num canteiro de apoio montado nas proximidades de um shopping da zona oeste do Rio de Janeiro e outro teve uma perna amputada depois de se envolver em um acidente com um poste de luz que fazia parte da Arena de Vôlei de Praia, em Copacabana.

Atrasos –  Nesta quarta-feira, funcionários de uma empresa terceirizada fizeram protesto na porta do Comitê, no centro do Rio de Janeiro, contra os atrasos de pagamentos. O Comitê admitiu que há uma descontinuidade no pagamento de alguns prestadores de serviço, mas Mario Andrada garantiu “que não haverá calote” a nenhum fornecedor.

(Com Reuters)

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)