Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Victor: ‘O que eu pratiquei foi um ato de desespero’

Indiciado pela Polícia Civil, cantor se justifica em vídeo, dizendo que só quis conter a mulher, 'descontrolada', para defender a filha de 1 ano

“Eu não machuquei ninguém”, diz Victor Chaves no vídeo que publicou na tarde desta terça-feira no Instagram, para tentar justificar a cena que levou a Polícia Civil de Minas Gerais a indiciá-lo por agressão à mulher, Poliana, grávida do segundo filho do casal. Segundo a Polícia Civil, a delegada Danúbia Quadros decidiu pelo indiciamento de Victor ao analisar imagens de uma câmera de segurança do prédio do cantor, em que ele empurra Poliana. “O que eu pratiquei foi um ato desesperado, para conter uma pessoa que estava totalmente fora de si de pegar uma criança de 1 ano, e pela minha filha eu faria tudo de novo”, diz também ele no vídeo.

Confira o texto todo do vídeo: “Pessoal, vim a público para esclarecer uma coisa diante da qual surgiram e surgem incontáveis boatos. Eu fui indiciado legalmente por vias de fato. Contravenção. Ou seja, eu não machuquei ninguém. O que eu pratiquei foi um ato de desespero para conter uma pessoa que estava completamente fora de si de pegar uma criança de 1 ano. Pela minha filha, o que eu fiz eu faria de novo. Então, tudo está sendo apurado devidamente”.

Entenda o caso

No dia 24 de fevereiro, Poliana Bagatini Chaves registrou um boletim de ocorrência contra o marido, Victor Chaves. A assessoria de imprensa da Polícia Civil de Minas Gerais informou que Poliana afirmou ter sido derrubada no chão e chutada diversas vezes. Victor negou as acusações e falou sobre o caso no programa Fantástico. Depois, Poliana retirou as acusações. O exame de corpo de delito não indicou agressão.

 

 

 

 

 

 

 

 

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Lucia Cerqueira

    IDIOTA QUER SER O NOVO BRUNO? COVARDE BATENDO EM MULHER GRAVIDA

    Curtir

  2. Cirinho Rio Doce

    Não sei pq as pessoas casam hoje em dia…As mulheres viraram nossas inimigas; o feminismo destruiu as relações e os casamentos,que mau duram a chegada do primeiro filho..Andaram vendo muitas novelas da Globo…

    Curtir

  3. Luiz Carlos Porto

    O cara ainda não entendeu que homem é palhaço de mulher. Quando ele entender isso e se resignar poderá viver em paz.

    Curtir

  4. Wilson Martins da Costa Wilson

    Como as câmaras não mente, você vem com essa de ‘O que eu pratiquei foi um ato de desespero’. Dois erros cometidos: agrediu e mentiu.

    Curtir

  5. Wilson Martins da Costa Wilson

    Correção sobre o comentário anterior: “Como as câmara não mentem”.

    Curtir

  6. Antonio Carlos de Lima Prado

    Se tivessem falado a verdade desde o inicio a coisa não tomaria tal propoção.

    Curtir

  7. Sergio Bertoni

    A REVISTA VEJA JA FOI UMA REFERÊNCIA EM INFORMAÇÃO, HOJE É UMA REVISTA DE FOFOCAS.
    TITITI. CIDADE O REPORTAGEM DE CAPA DESSA SEMANA????

    Curtir

  8. me admiro a veja…essa reportagem já está há mais de mês ,deste cara que bateu na mulher que ainda retirou a queixa e o defendeu….onde está a novidade ? temos milhares de exemplos assim , mulheres apanhando , defendendo e retirando queixa…parece que gostam….mas é só porque esse cara é meio conhecido ? a mulher se apanha e age assim é porque gosta . quando ela não gosta a reação é diferente…agora , todo dia vc ler a mesma coisa é difícil , a veja está virando um antro de fofocas então contrate o esquisito do nelson rubens ou que tal a falida sonia abrão ou a bosta da mara junto com a mama busqueta…..assim já caracteriza um fofocando na veja…..pelamordedeus.

    Curtir

  9. Enquanto toda essa palhaçada em torno do cantor famoso permanece na mídia o animal que matou uma aluna da Unicamp estava em liberdade condicional. Nada como ser um lixo desconhecido.

    Curtir

  10. VERDE e AMARELO

    ISSO TUDO É UMA FARSA PARA DESVIAR A ATENÇÃO DO POVÃO IGNORANTE, DAS DESGRAÇAS QUE ESTÃO ACONTECENDO NA POLITICA: YOUTUBE: OIT169, PNDH3, URSAL, FORO DE SP, PATRIA GRANDE, BASE MILITAR RUSA NA VENEZUELA…

    Curtir