Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Penélope Cruz defende greve de mulheres na Espanha em 8 de março

'Estou totalmente de acordo e apoio', disse a atriz

Penélope Cruz considera existir “motivos de sobra” para a greve feminista convocada na Espanha para 8 de março, coincidindo com o Dia Internacional da Mulher, e disse ter esperança de que seja o começo de uma mudança real. “Estou totalmente de acordo e apoio”, declarou a atriz à Agência Efe. “Muitas coisas estão acontecendo em nível global que realmente podem significar o princípio de uma mudança real. Isso não pode ser um caso curioso que recheou as páginas de jornais durante uns meses e depois foi esquecido”.

Penélope, que está promovendo o filme Loving Pablo, acredita que a mobilização em Hollywood após a onda de denúncias de assédio sexual deve servir de alavanca para denunciar qualquer tipo de discriminação às mulheres em outros setores. “Tudo o que saiu à luz na nossa indústria tem que ajudar mulheres de outras profissões e de outras indústrias que não têm microfones por perto como nós”, opinou.

Javier Bardem, que interpreta o traficante colombiano Pablo Escobar, também apoia a greve. “Há que fazê-la, e há que apoiar este movimento”. “A paridade salarial, a igualdade de condições trabalhistas. É anacrônico que ainda estejamos falando disto. Deveria ser óbvio, mas parece que não, por isso que é preciso relembrar o necessário: a greve de 8 de março é muito importante”, frisou.

Fernando León de Aranoa, diretor de Loving Pablo e autor de uma filmografia em que se destacam os compromissos social e politico, também se declarou a favor da mobilização. “É um coletivo com motivos para se mobilizar, e o trabalhista é um terreno onde houve e continua a haver muitas injustiças, por isso apoiamos totalmente a greve”, disse o diretor. Para ele, vivemos “um momento histórico em que começamos a estar conscientes de que as coisas mudaram para sempre, ainda que haja muitos degraus a subir”.

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Paulo Bandarra

    Elas falam em salários iguais mas não em produção iguais.

    Curtir