Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Mesmo com reforço de Susana Vieira, ‘Video Show’ de Zeca Camargo não diz a que veio

Programa comandado pelo ex-apresentador do 'Fantástico' concentrou atenções na participação da atriz e deixou reportagens à deriva

A estreia do Video Show reformulado, agora com apresentação do ex-Fantástico Zeca Camargo, apostou na participação de Susana Vieira como convidada de honra. O formato de auditório, sem um âncora clássico para chamar reportagens sobre novelas e conectar os blocos, deixou a atração fragmentada. Era como se, em um mesmo pacote, houvesse vários programas distintos.

Radar On-line: Zeca Camargo eleva audiência na estreia do ‘Video Show’

Zeca Camargo usou a sua experiência com entretenimento e se saiu bem à frente do programa. À vontade no papel de mestre de cerimônias, conduziu a convidada com facilidade. E, Susana, sempre espalhafatosa, falou sobre carreira e vida pessoal, participou de brincadeiras e dançou, tudo no mesmo fôlego, em quadros curtos.

Leia também:

‘Video Show’, o novo desafio de Zeca Camargo

Depois de convite a Zeca Camargo, André Marques deixa ‘Vídeo Show’

‘Eu desejava a mudança’, diz Zeca Camargo sobre Vídeo Show

O programa revirou seu baú global e apresentou imagens de novelas como Anjo Mau (1976) e O Espigão (1974), além de um vídeo gravado para o Fantástico no qual a atriz cantou e dançou a música Baby Face, em 1975 — vídeo que caiu nas graças, e nas piadas, dos fãs de Lady Gaga este ano.

Os blocos do programa de auditório foram intercalados com as tradicionais reportagens de bastidores das produções da Globo, que mostraram cenas das gravações do casamento de Aline (Vanessa Giácomo) e César (Antonio Fagundes), em Amor à Vida, e levaram Malu Mader de volta ao Instituto de Educação, no Rio de Janeiro, onde foi gravada a série Anos Dourados, em 1986. As matérias, no entanto, começaram bruscamente, sem serem introduzidas ao espectador. A sensação que fica é a de que se misturaram dois programas distintos — o novo, de auditório, e o antigo, de reportagens –, mas a direção ainda não soube como conciliar as duas linguagens.