Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Manifestações políticas podem levar à prisão no Carnaval de BH

Atuação da PM alertou a Defensoria Pública do Estado, que vê interferência como prática ilegal de censura

Com previsão de levar para a rua pelo menos cinco milhões de pessoas até a Quarta-feira de Cinzas, o Carnaval de rua de Belo Horizonte deste ano inaugurou uma novidade: o controle de conteúdo político das canções e manifestações pela Polícia Militar do estado, governado por Romeu Zema, do Partido Novo.

Já no primeiro dia de festa, os coordenadores do bloco Tchanzinho Zona Norte foram alertados por integrantes da corporação que se insistissem em continuar a xingar o presidente Jair Bolsonaro eles poderiam ficar sem policiamento. A foliões insistentes, foi explicado que se o policial avaliasse incitação poderia dar voz de prisão.

“Ai, ai, ai, Bolsonaro é o c…” é um dos gritos mais ouvidos nas ruas desde as saídas pré-carnavalescas desde ano, por todo o Brasil. A Polícia Militar de Minas Gerais, porém, decidiu interferir na manifestação por considerá-la “chula, ofensiva e capaz de incitar a violência”, na descrição da porta-voz de plantão neste domingo, 3, a capitã Layla Brunnela.

No raciocínio da militar, a manifestação política pode provocar foliões alinhados a um posicionamento diferente, colocando em risco “a paz” dos blocos mineiros, que ela descreve como “de família”.

“Nós agimos preventivamente, para garantir a segurança dos cidadãos, que, afinal, procuram o bloco pela diversão, pelo álcool e não necessariamente pela política. Não se trata de censura”, disse a VEJA, por telefone. Para ela, a folia não autoriza uso de palavrões. Perguntada se a escolha da palavra proibida e a permitida pertence à alçada da PM ela não soube responder.

Segundo ainda a porta-voz, das 17 prisões realizadas desde o início da folia, nenhuma foi por protestos de nenhum tipo. Quase todas ocorreram por roubo ou furto e uma por importunação sexual.

Ela diz também que a manifestação em si não preocuparia a corporação se ela não tivesse potencial de, em última instância, chegar à “situação de homicídio” por desavenças agravadas pelo álcool.

A PM não se lembra de ter visto caso de agressão ou morte por motivação política em carnavais anteriores em Minas Gerais.  Revezam-se nas ruas de Belo Horizonte, por dia, 8,5 mil policiais.

Em junho de 2011, ao liberar a chamada Marcha da Maconha, o Supremo Tribunal Federal entendeu que a liberdade de expressão e de manifestação somente pode ser proibida quando for dirigida a incitar ou provocar ações ilegais e iminentes.

Na ocasião, a então ministra da Justiça Cármen Lúcia lembrou que “se, em nome da segurança, abrirmos mão da liberdade, amanhã não teremos nem liberdade nem segurança”. 

Ao ser informada da interferência da Polícia Militar na manifestação dos blocos carnavalescos, a  A Defensoria Pública de Minas Gerais pediu revisão dos procedimentos administrativos da instituição. Na recomendação, os defensores determinam que “as forças policiais se abstenham de deter qualquer indivíduo ou direcionar a ele orientação sobre o conteúdo de suas falas quando políticas, sob pena de praticar odiosa prática de censura institucional, ilegal, inconstitucional e, ainda, punida como crime de abuso de autoridade

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Cleuber Fersil

    A veja persiste em postar matérias tendenciosas com o intuito de denegrir a imagem da Polícia Militar de Minas. A polícia está certa, nesse clima de polarização nem todos sabem se manifestar de forma educada. E como sabemos que essa esquerda é doente, é melhor evitar esse tipo de manifestação para garantir a nossa segurança. A veja deve estar querendo que tenha uma arruaça em nosso Estado. Só pode. Parabens PMMG.

    Curtir

  2. Marcos Santos

    Como assim está certa? A censura voltou e já está em vigor?? Liberdade de expressão de pensamentos e política são garantias constitucionais e não podem ser ameaçadas ou tolhidas! Se quiserem voltar a 64 que mudem a Constituição … ops, é melhor não dá ideia pra esse povo retrógrado…

    Curtir

  3. Ueder Cardoso

    Carnaval não é só para se divertir. Essa data comemorativa pode ser usada para manifestar politicamente, ou seja, expressar as suas críticas na política, na sociedade. Essa forma de classificar o carnaval só como diversão é uma forma de justificar a censura de manifestações e impedir que as críticas sejam ouvidas e não abafadas. Quem só faz isso é a ditadura e não uma democracia. Espero que o Brasil não segue o mesmo caminho autocrático de Venezuela, da Turquia e de Filipinas. Impedir manifestação política no carnaval é intolerável. Zema é um idiota querendo possar de ditador de MG.

    Curtir

  4. iris margarete charlier cardia

    Marcos acho que não deve mudar a constituição, os incomodados que devem mudar quem quer morar num pais que proibido tudo que vão morar na Russia kkk ou melhor que vão para uma ilha sozinho lá os coqueiros não e não podem ir contra os pensamentos de ninguém . È proibido proibir . Abaixo a chatice.

    Curtir