Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Filme de Paulo Gustavo ficou na mira de secretária demitida do Audiovisual

Katiane Gouvêa ameaçou rever classificações indicativas em função de o humorista ser gay; “Para nós, a família é constituída por um pai e uma mãe", disse

Por Edoardo Ghirotto - Atualizado em 15 dez 2019, 08h50 - Publicado em 13 dez 2019, 17h14

A ex-secretária do Audiovisual Katiane Gouvêa ameaçou rever a classificação indicativa de filmes que fossem contrários à linha ideológica do governo de Jair Bolsonaro. Ela disse que tentaria estabelecer novos parâmetros ao ser informada por um representante do setor cinematográfico que o filme Minha Mãe É Uma Peça, estrelado pelo ator Paulo Gustavo, era recomendado para crianças a partir de 12 anos. Katiane considerou que o fato de o humorista ser homossexual tornava o filme inapropriado para essa faixa etária. Leia a matéria completa na edição de VEJA desta semana.

“Para nós, a família é constituída por um pai e uma mãe”, disse a ex-secretária, segundo o relato de um executivo que pediu para não ser identificado. A comédia Minha Mãe É Uma Peça 3 estreará neste mês em mais de 1.000 salas de cinema. A primeira produção da série atraiu 4,7 milhões de telespectadores, enquanto a segunda foi vista por 10,8 milhões de pessoas. Paulo Gustavo também já atraiu 5 milhões de pessoas ao teatro com as peças Minha Mãe É Uma Peça, 220 Wts e Hiperativo.

Katiane era o braço-direito do secretário de Cultura, Roberto Alvim, mas foi demitida nesta semana sob a justificativa de que cometeu irregularidades quando tentou se candidatar a deputada federal em 2018. VEJA revelou que ela transferiu 25 600 reais do fundo eleitoral do PSD a uma empresa na qual é sócia com a mãe. Katiane recebeu só 960 votos e não se elegeu.

O novo secretário do Audiovisual é André Sturm, que chefiou a pasta da Cultura na cidade de São Paulo. A indicação de Sturm foi resultado de uma articulação do ex-vereador Andrea Matarazzo (PSD) com o empresário Paulo Skaf (MDB), presidente da Fiesp. Eles tentam obter o apoio de Bolsonaro para uma chapa que disputaria o governo estadual de São Paulo em 2022.

Publicidade

Em nota, Katiane Gouvêa nega que o filme Minha Mãe é uma Peça 3 tenha sido alvo de algum tipo de fiscalização e esclarece que respeita as escolhas artísticas individuais, mas que na figura de ente público deveria obedecer ao previsto no artigo 226 da Constituição Brasileira, que estabelece: “A família, base da sociedade, tem especial proteção do Estado. § 3º Para efeito da proteção do Estado, é reconhecida a união estável entre o homem e a mulher como entidade familiar, devendo a lei facilitar sua conversão em casamento”. No texto, a  ex-secretária repudia a informação de que relacionava as escolhas pessoais e afetivas dos artistas à Classificação Indicativa e rechaça qualquer tipo de informação que atribua a ela censura, filtros e radicalismo.

Assine agora o site para ler na íntegra esta reportagem e tenha acesso a todas as edições de VEJA:

Ou adquira a edição desta semana para iOS e Android.
Aproveite: todas as edições de VEJA Digital por 1 mês grátis no Go Read.

Publicidade