Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Diretor de filme vencedor de Cannes critica atriz em carta

A atriz Léa Seydoux, uma das protagonistas do romance lésbico 'La Vie D'Adele', foi criticada pelo cineasta Abdellatif Kechiche devido às entrevistas em que condenou seus métodos de trabalho pouco convencionais

Abdellatif Kechiche, diretor do filme vencedor do Festival de Cannes deste ano, La Vie d’Adèle, escreveu uma carta aberta ao site francês Rue 89 fazendo diversas críticas à atriz Léa Seydoux, uma das protagonistas do longa. O motivo seriam as entrevistas concedidas por ela após o festival a respeito dos métodos de trabalho usados pelo cineasta durante as gravações. Léa também disse que nunca mais trabalharia com Kechiche.

Em uma das entrevistas, a atriz concordou com um artigo do jornalista Aureliano Tonet para o jornal francês Le Monde, no qual ele relatava as críticas feitas pela produção do filme contra o diretor, que teria feito a equipe trabalhar por horas em condições brutais. Ela ainda completou dizendo que Kechiche obrigava os atores a repetir as cenas inúmeras vezes, além de ter atirado um monitor no chão por não estar satisfeito com uma sequência.

LEIA TAMBÉM:

Tunísia parabeniza diretor por Palma de Ouro, mas cala sobre o filme

Filme sobre paixão entre duas adolescentes vence a Palma de Ouro em Cannes

Na carta, o cineasta se refere à atriz como uma “criança mimada e arrogante”, além de acusá-la de ingratidão e incoerência, já que teria mudado de opinião após ter agradecido a ele inúmeras vezes em público e pessoalmente, além de chorar em seus braços em Cannes por ter tido a oportunidade de atuar no longa. O diretor tunisiano ainda destacou as atitudes da atriz como “fraude perversa e manipuladora”, alegando que ela “sabia que as palavras foram caluniosas”. No texto, aliás, o cineasta alega que tais alegações poderiam ter arruinado sua carreira caso ele não tivesse ganhado a Palma de Ouro em Cannes.

E as críticas não param por aí. Em outro trecho da carta, Kechiche se refere à atriz como uma pessoa egocêntrica e oportunista. “Uma vez que a jovem Léa é autoproclamada estrela do momento e certamente pensa que faz parte de uma casta intocável, ela não se vê na obrigação de se explicar”, escreveu. Além disso, para completar, o diretor aparenta ameaçá-la com uma possível ação na justiça. “Eu voltarei. Isso é para ela explicar no tribunal”.

No entanto, as controvérsias não afetaram o sucesso do longa francês no país, onde recebeu mais de 860 000 espectadores somente nas primeiras duas semanas de exibição. La Vie d’Adèle tem data de estreia prevista para o Brasil no dia 6 de dezembro deste ano.