Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês

Unifesp usa módulos de aço para abrigar laboratórios

Módulos eram destinados à moradia e custaram 1,05 milhão de reais

Por Da Redação 23 jan 2015, 10h46

Sete anos depois de ser criado, o campus da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) em Diadema, na Grande São Paulo, ainda enfrenta graves problemas de infraestrutura. Por falta de obras e necessidade de espaço, a instituição comprou onze módulos de aço, destinados originalmente à moradia, para abrigar laboratórios, batizados de ‘laboratórios de lata’ por servidores. Comprados em 2012, os módulos de 43 metros quadrados custaram 1,05 milhão de reais e estão subutilizados – apenas três estão em uso.

A compra ocorreu em 2012 e somente no fim do ano passado as ligações elétricas foram realizadas. Os laboratórios de lata estão na unidade José de Filippi, no Jardim Eldorado, região carente da cidade, onde são realizadas aulas práticas. Os módulos ficam espalhados pelo pátio da unidade e, segundo professores, não são adequados para a pesquisa. A Unifesp Diadema tem sete graduações nas áreas de química, farmácia, meio ambiente e biologia, além de cinco pós-graduações.

Por causa da falta de espaço, equipamentos de pesquisa estão estocados em caixas espalhadas pelos corredores. Há ainda banheiros interditados, com o aviso de ‘risco à saúde’, forros de teto caindo e falta de espaços nos laboratórios internos.

Leia também:

Novo caso de estupro em universidade: desta vez, na Unifesp

Pela quarta vez, Unifesp tenta construir edifício que deveria ter sido entregue em 2010

Reuni: atraso em obras ameaça excelência da Unifesp

Os serviços de manutenção e de alimentação estão interrompidos por falta de contrato. Segundo a reitoria, uma nova licitação para contratação dos serviços está sendo feita, mas a direção aguarda liberação orçamentária para assinar o contrato.

Continua após a publicidade

Para o presidente da Associação dos Docentes da Unifesp, Raul Boni Hernandes, as causas dos problemas são antigas. “Falta de planejamento é o resumo dessa história. Em sete anos, pouco aconteceu. Nos últimos anos teve dinheiro, mas não foi usado”, disse ele, que é professor do campus. “Claro que há prejuízos acadêmicos. Mas o esforço do corpo docente e o comprometimento dos estudantes têm sido determinantes.”

A reitoria defende que a compra dos módulos foi aprovada na Congregação da unidade e informou que há a previsão de iniciar no segundo semestre deste ano a construção do prédio principal do campus, que será na unidade do centro. As obras devem somar um total de 65.000 metros quadrados de área construída. “Diadema tem experimentado grande dificuldade de criar infraestrutura e completar seu projeto de expansão de atendimento”, informou em nota a universidade. A unidade seguiu um projeto de expansão ao longo dos anos e pulou de 900 vagas, em 2007, para 2.700 em 2014.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)