Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Projeto de ensino domiciliar facilita abertura de escolas informais

Pais poderiam contratar preceptores para educar os filhos, mas texto não regulamenta atuação desses profissionais

Por Ricardo Ferraz Atualizado em 20 Maio 2022, 09h22 - Publicado em 20 Maio 2022, 07h00

O projeto de lei de ensino domiciliar, aprovado na Câmara dos deputados nesta quinta-feira, abre a possibilidade da criação de “escolas informais”, sem a anuência ou aprovação das delegacias de educação das secretarias estaduais, responsáveis por regular e fiscalizar esses estabelecimentos. Isso porque o Projeto de Lei prevê que os pais que optarem por essa modalidade de ensino podem terceirizar as aulas, contratando preceptores sem, no entanto, estabelecer critérios para atuação desse tipo de profissional. 

Esse é um dos pontos mais controversos da proposta que ainda tem de ser aprovada pelo Senado, antes de seguir para sanção do presidente da República. “Não há qualquer regulamentação do que seriam esses preceptores”, aponta o Movimento Todos Pela Educação em uma nota técnica que aventa a possibilidade da abertura de grupos coletivos de homeschooling em centros informais. 

O projeto aprovado criou mecanismos para tentar garantir que os estudantes do ensino domiciliar tenham educação semelhante à das escolas – os responsáveis são obrigados a manter os alunos matriculados a uma escola, devem seguir o que está previsto na Base Nacional Comum Curricular (BNCC) e passar por avaliações anuais. Contudo, ainda há dúvidas sobre como alguns temas seriam tratados, como o criacionismo para explicar a origem da vida, por exemplo. 

Durante a articulação da proposta na Câmara, a possibilidade de contratar tutores foi um dos pontos mais defendidos pela base bolsonarista, principalmente da bancada evangélica. Integrantes da oposição aventam a possibilidade dessas escolas informais serem montadas na dependências das igrejas. Na visão desse segmento, as escolas públicas brasileiras são alvo da “doutrinação marxista”. Não há evidências de que isso ocorra na prática.

“A questão do preceptor é problemática pois abre a possibilidade de o ensino domiciliar se tornar uma prática generalizada, para qualquer família, com ou sem ensino superior. Basta ter um “terceiro” com ensino superior ou educação profissional e a educação domiciliar está liberada. Se o Senado aprovar do jeito que está, não nos parece exagero supor que um mercado de escolas informais pode vir a existir”, diz Olavo Nogueira Filho, diretor-executivo do Todos Pela Educação.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)