Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

O cardápio do Enem

Nutricionistas recomendam um menu para antes e durante a prova que pode contar a favor do resultado

Boa alimentação é uma decisão de longo prazo, mas há certas medidas pontuais que podem ser tomadas em prol de um menu, digamos, mais eficiente para encarar um desafio como o Enem. Nutricionistas ouvidos por VEJA explicam, por exemplo, que certos alimentos estimulam a concentração, outros não. Por esse motivo, Andre Heibel recomenda que os candidatos reduzam o consumo de industrializados na véspera do exame e consumam outros: “Sugiro suco de uva, rico em resveratrol, que auxilia a memória, e chá verde, que tem catequina, substância favorável à concentração e ao foco.”

Até os temperos fazem diferença, garantem os especialistas. Açafrão e pimenta do reino são antioxidantes e protegem o cérebro de lesões por estresse. Já corante, adoçantes e edulcorantes devem ser cortados nesta fase final. “A alimentação tem efeito crônico no organismo. A maneira como o candidato se alimentou na semana ou até mesmo no mês do exame pode ter efeito positivo ou negativo”, diz Heibel.

Nos dias de prova, o indicado é ficar ainda mais atento ao prato. Nada de comida pesada no almoço e muito menos no jantar da véspera. A ideia é reforçar o café da manhã. “Comer fruta, tapioca, suco e tomar café ajuda a despertar o organismo sem pesar”, fala a nutricionista Patricia Ribeiro. Regrar o sono ajudará a equacionar as refeições. “O candidato não deve acordar cedo nem tarde demais. Oito horas é o melhor”, diz Patrícia. “Assim dá tempo para tomar café e almoçar cedo antes do exame, que é na parte da tarde.” Mais: nada de exagerar nas carnes e nos carboidratos.

Durante a prova, os nutricionistas aconselham não baixar a guarda nos cuidados gastronômicos. O Enem permite que os candidatos levem lanche para aguentar a maratona. O ideal é fugir dos refrigerantes e salgados processados e ter à mão chá gelado, frutas, castanhas e chocolates com mais de 60% de cacau. “O chocolate desperta e ajuda a memória”, ensina Patrícia. Tomar água é bom, mas sem exageros, para evitar muitas idas ao banheiro. O nutricionista André Heibel ainda adverte: “Cuidado com as bebidas açucaradas. De forma geral, o açúcar influencia nas bactérias do intestino, que podem produzir serotonina no cérebro, gerando sono durante a prova.” E isso ninguém quer.