Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Mulheres são mais interessadas em prosseguir os estudos, aponta pesquisa

Estudo elaborado pelo Instituto Unibanco revela que 93% das alunas do ensino médio pretendem fazer faculdade, contra 78,3% dos meninos. A pesquisa ouviu 4.724 estudantes da rede pública de São Paulo e Rio de Janeiro

Uma pesquisa realizada pelo Instituto Unibanco com alunos do ensino médio da rede pública revelou que 93% das mulheres pretendem ingressar na faculdade, contra 78,3% dos homens. Outros dados da pequisa mostram o maior interesse das meninas pelos estudos: 73,3% das alunas ouvidas pretendem fazer o Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) – enquanto 57,1% dos meninos mostrou interesse em realizar a prova. Quanto à intenção de obter uma qualificação profissional e/ou técnica, 84% delas pretendem fazê-lo – contra 80% deles.

“Os dados reafirmam que as meninas estudam mais, têm mais anos de escolaridade, e se dedicam mais aos estudos”, diz Ricardo Henriques, superintendente executivo do Instituto Unibanco. “Entretanto, é importante apontar disparidades de gênero que ainda persistem na educação, como a falta de meninas seguindo carreiras científicas e de exatas”, completa.

Leia também:

Apenas 54% concluem o ensino médio até os 19 anos

O estudo mostrou também que, para os estudantes da rede pública, o ensino médio é uma transição para o trabalho – segundo a pesquisa, 68% dos alunos vão à escola para aprender conteúdos e habilidades para ser um bom profissional e 78,7% gostariam de fazer um curso técnico ou obter uma qualificação profissional.

A pesquisa ouviu 4.724 jovens, estudantes do ensino médio da rede pública de São Paulo e Rio de Janeiro. Das 34 escolas participantes do estudo, três são do Rio de Janeiro. Na cidade de São Paulo, somam-se 24 escolas, quatro em Osasco, duas em Carapicuíba e uma em Guarulhos.

Os estudantes que participaram da pesquisa estão entre o 1º e o 3º ano do período noturno, sendo 52% do sexo masculino e com uma idade média de 16 anos; do total, 41,3% atualmente trabalham e 27,4% já trabalharam. A pesquisa foi realizada durante o 1º semestre deste ano.