Clique e assine a partir de 9,90/mês

Após insinuação de plágio, ministro da Educação promete revisar trabalho

Dissertação em que supostas cópias teriam ocorrido foi apresentada em 2008 e garantiu a Carlos Alberto Decotelli da Silva o título de mestre

Por Nonato Viegas - Atualizado em 27 Jun 2020, 21h32 - Publicado em 27 Jun 2020, 21h31

O Ministério da Educação emitiu nota informando que o novo ministro Carlos Alberto Decotelli da Silva irá revisar sua dissertação de mestrado apresentada à Fundação Getúlio Vargas, que lhe garantiu o título de mestre. Na nota, o ministro afirma não ter havido dolo, mas eventuais “falhas técnicas ou metodológica”.

“O ministro refuta as alegações de dolo, informa que o trabalho foi aprovado pela instituição de ensino e que procurou creditar todos os pesquisadores e autores que serviram de referência e cujo conhecimento contribuiu sobremaneira para enriquecer seu trabalho”, afirma a nota. E segue: “O ministro destaca que, caso tenha cometido quaisquer omissões, estas se deveram a falhas técnicas ou metodológicas. Informa também que, ainda assim, por respeito ao direito intelectual dos autores e pesquisadores citados, revisará seu trabalho e que, caso sejam identificadas omissões, procurará viabilizar junto à FGV uma solução para promover as devidas correções.”

Como mostrou VEJA, o economista Thomas Conti, professor do Insper, apontou em uma rede social indícios de plágio na dissertação de mestrado do novo ministro da Educação, Carlos Alberto Decoletti da Silva. As postagens ocorreram horas depois de Franco Bartolacci, reitor da Universidade Nacional de Rosário, na Argentina, negar que Decoletti tenha concluído seu doutorado, como constava em seu currículo Lattes. Nas publicações divulgadas, há as impressões dos exercícios de defesa de mestrado do ministro da Fundação Getúlio Vargas do Rio de Janeiro, que são idênticos aos registros do relatório da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) do Banrisul.

O MEC confirmou ainda a alteração no currículo Lattes do ministro após declaração do reitor da Universidade Nacional de Rosário, Franco Bartolacci, de que Decotelli não havia conseguido o título de doutor. Segundo informa que o Ministério da Educação, ao final do curso, ele apresentou uma tese de doutorado que, após avaliação preliminar pela banca designada, não teve sua defesa autorizada, tendo, portanto, que alterar a tese e submetê-la novamente à banca. “Fruto de compromissos no Brasil e, principalmente, do esgotamento dos recursos financeiros pessoais, o ministro viu-se compelido a tomar a difícil decisão de regressar ao país sem o título de Doutor em Administração.”

Publicidade