Clique e assine a partir de 9,90/mês

Professor aponta plágio por novo ministro da Educação

Cópia teria ocorrido em dissertação de mestrado apresentada em 2008

Por Nonato Viegas - Atualizado em 27 jun 2020, 21h35 - Publicado em 27 jun 2020, 17h34

O economista Thomas Conti, professor do Insper, apontou para sua rede social indícios de plágio na dissertação de mestrado do novo ministro da Educação, Carlos Alberto Decoletti da Silva. As postagens ocorreram horas depois de Franco Bartolacci, reitor da Universidade Nacional de Rosário, na Argentina, negar que Decoletti tenha concluído seu doutorado, como constava em seu currículo Lattes. Nas publicações divulgadas, há as impressões dos exercícios de defesa de mestrado do ministro da Fundação Getúlio Vargas do Rio de Janeiro, que são idênticos aos registros do relatório da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) do Banrisul.

“Para quem não tem familiaridade com o mundo acadêmico, embora a dissertação seja sobre a governança corporativa do Banrisul, não se copia e cola trechos escritos por outra pessoa sem deixar claro que é uma citação e de onde vem uma citação”, escreveu. No currículo do novo ministro da Educação, há uma informação que trabalhou no Banrisul como professor entre 2004 e 2005, mas no relatório do banco elaborado publicado em 2008 não há menção ao Decotelli. Escreveu ou professor do Insper: “Tinha tanta coisa parecida entre esse relatório da CVM e dissertação que desisti de encontrar como partes iguais na mão e jogadas em um software de detecção de estágio. Mais de 10% da dissertação de mestrado é cópia idêntica ao relatório da CVM. 4.200 palavras ”, afirmou.

Continua após a publicidade

Após uma declaração do reitor da Universidade Nacional de Rosário, Decotelli editou seu currículo Lattes. O novo ministro da Educação retirou o título de “Gestão de Riscos NA Modelagem de Preços da Soja” eo Nome do orientador Dr. Antonio Araujo Freitas Jr. e deixou APENAS “créditos concluídos” e “ano de uso: 2009″. No campo Sobre o orientador, Decotteli escreveu: “sem defesa de tese”. Procurado, o Ministério da Educação não se manifesta.

Publicidade