Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Petrobras diz que reajustes não serão automáticos

Estatal enviou comunicado ao mercado nesta quarta-feira em resposta aos questionamentos da CVM, sobre a política de reajuste dos combustíveis

Por Da Redação 4 dez 2013, 11h10

A aplicação de reajustes aos preços de combustíveis não será automática como resultado da política de preços aprovada no fim da semana passada pelo Conselho de Administração da Petrobras, informou a estatal nesta quarta-feira.

Em esclarecimentos à Comissão de Valores Mobiliários (CVM), a Petrobras disse ainda que a metodologia para estabelecer o valor de venda da gasolina e do diesel “contém parâmetros baseados em variáveis como preço de referência dos derivados no mercado internacional, taxa de câmbio e ponderação associada à origem do derivado vendido, se refinado no Brasil ou importado”.

“A metodologia estabelece bandas de reajuste, conferindo à diretoria executiva poder discricionário à luz da dinâmica dos mercados doméstico e internacional”, acrescentou a empresa.

A dúvida em relação a como serão os aumentos dos combustíveis no ano que vem fez com que as ações da Petrobras caíssem cerca de 10% no começo da semana. Os investidores ficaram decepcionados com a decisão da empresa de não divulgar detalhes de sua nova política de preços e com o aumento dos combustíveis aquém do estimado. As ações chegaram a registrar alta no início da manhã desta quarta-feira, mas passaram a registrar leves perdas por volta das 11h30.

Na sexta-feira passada, a Petrobras havia dito que, por razões comerciais, os parâmetros da metodologia de precificação seriam “estritamente internos à companhia”. A companhia também anunciou um aumento de 4% da gasolina e de 8% do diesel nas refinarias, porcentuais que vieram abaixo do esperado por analistas.

Leia também:

Ações da Petrobras têm maior queda desde a crise de 2008

Continua após a publicidade

Gasolina terá um aumento médio de 2% para o motorista

No documento desta manhã, a Petrobras também refutou especulações sobre a saída da presidente da companhia, Maria das Graças Foster.

A diretoria da Petrobras apresentou ao seu Conselho presidido pelo ministro da Fazenda, Guido Mantega, no fim de outubro, uma proposta de metodologia de preços prevendo reajustes automáticos e periódicos de combustíveis. O mecanismo enfrentou forte resistência dentro do governo, por ser visto como uma maneira de indexar a economia e, portanto, pressionar a inflação.

Leia ainda:

Petrobras anuncia reajuste de 4% para gasolina e 8% para o diesel

Depois de cair mais de 10%, Petrobras lidera as altas do Ibovespa

(com agência Reuters)

Continua após a publicidade
Publicidade