Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Petrobras diz que reajustes não serão automáticos

Estatal enviou comunicado ao mercado nesta quarta-feira em resposta aos questionamentos da CVM, sobre a política de reajuste dos combustíveis

Por Da Redação
4 dez 2013, 11h10

A aplicação de reajustes aos preços de combustíveis não será automática como resultado da política de preços aprovada no fim da semana passada pelo Conselho de Administração da Petrobras, informou a estatal nesta quarta-feira.

Em esclarecimentos à Comissão de Valores Mobiliários (CVM), a Petrobras disse ainda que a metodologia para estabelecer o valor de venda da gasolina e do diesel “contém parâmetros baseados em variáveis como preço de referência dos derivados no mercado internacional, taxa de câmbio e ponderação associada à origem do derivado vendido, se refinado no Brasil ou importado”.

“A metodologia estabelece bandas de reajuste, conferindo à diretoria executiva poder discricionário à luz da dinâmica dos mercados doméstico e internacional”, acrescentou a empresa.

A dúvida em relação a como serão os aumentos dos combustíveis no ano que vem fez com que as ações da Petrobras caíssem cerca de 10% no começo da semana. Os investidores ficaram decepcionados com a decisão da empresa de não divulgar detalhes de sua nova política de preços e com o aumento dos combustíveis aquém do estimado. As ações chegaram a registrar alta no início da manhã desta quarta-feira, mas passaram a registrar leves perdas por volta das 11h30.

Na sexta-feira passada, a Petrobras havia dito que, por razões comerciais, os parâmetros da metodologia de precificação seriam “estritamente internos à companhia”. A companhia também anunciou um aumento de 4% da gasolina e de 8% do diesel nas refinarias, porcentuais que vieram abaixo do esperado por analistas.

Continua após a publicidade

Leia também:

Ações da Petrobras têm maior queda desde a crise de 2008

Gasolina terá um aumento médio de 2% para o motorista

No documento desta manhã, a Petrobras também refutou especulações sobre a saída da presidente da companhia, Maria das Graças Foster.

Continua após a publicidade

A diretoria da Petrobras apresentou ao seu Conselho presidido pelo ministro da Fazenda, Guido Mantega, no fim de outubro, uma proposta de metodologia de preços prevendo reajustes automáticos e periódicos de combustíveis. O mecanismo enfrentou forte resistência dentro do governo, por ser visto como uma maneira de indexar a economia e, portanto, pressionar a inflação.

Leia ainda:

Petrobras anuncia reajuste de 4% para gasolina e 8% para o diesel

Depois de cair mais de 10%, Petrobras lidera as altas do Ibovespa

(com agência Reuters)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.