Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Menor produção de caminhões puxa recuo na FBCF, diz IBGE

Por Da Redação
1 jun 2012, 11h17

Por Daniela Amorim e Mariana Durão

Rio de Janeiro – A menor produção de caminhões e ônibus no primeiro trimestre de 2012 puxou o recuo no investimento no período. A Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF) caiu 1,8% em relação ao quarto trimestre de 2011. Na comparação com o primeiro trimestre de 2011, a queda foi de 2,1%, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que divulgou os números nesta sexta-feira. “Como a queda de caminhões foi muito expressiva, foi o que mais puxou (o recuo na FBCF)”, disse Rebeca Palis, gerente da Coordenação de Contas Nacionais do IBGE.

Houve paralisação quase total na produção de caminhões no início de 2012, para adequação dos novos modelos a um motor menos poluente. “(A atividade de) Caminhões teve queda grande e é praticamente todo investimento. Não só a produção caiu, mas a própria venda de caminhões. Porque, com a mudança de motor, como ele ficou mais caro, teve uma antecipação de consumo no final do ano passado. Então, isso afetou negativamente os investimentos”, explicou. Também influenciaram no recuo da FBCF a queda na produção interna de máquinas e equipamentos e de máquinas, aparelhos e materiais elétricos.

Tanto a taxa de investimento quanto a taxa de poupança bruta recuaram em comparação ao primeiro trimestre de 2011. A primeira saiu de 19,5% no primeiro trimestre de 2011 para 18,7% no mesmo período de 2012. Já a taxa de poupança foi de 17% para 15,7% no mesmo período considerado. A gerente de Contas Nacionais do IBGE atribuiu essa redução à maior renda disponível, que resultou em aumento do consumo das famílias e do governo.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.