Clique e assine a partir de 9,90/mês

Indústria paulista demite quase 130 mil em 2014

Emprego no setor caiu 4,9%, o pior resultado desde 2006, segundo a Fiesp. Entidade não vê recuperação este ano e diz que situação é frágil

Por Da Redação - 15 Jan 2015, 19h50

A indústria paulista demitiu 128,5 mil funcionários em 2014, o equivalente a uma perda de 4,9% do emprego do setor, informou nesta quinta-feira a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp). Trata-se do pior desempenho em oito anos. Apenas em dezembro, a indústria paulista demitiu cerca de 40.000 funcionários.

A indústria de veículos automotores, reboques e carrocerias foi a que mais demitiu no ano passado, com 23.180 funcionários a menos. Já o setor de máquinas e equipamentos fechou 22.049 postos de trabalho no ano. Ao longo de 2014, o setor sucroalcooleiro demitiu 13.681 funcionários, o equivalente a uma perda de 8,5% durante o período.

Leia mais:

Número de trabalhadores na indústria cai 0,4% em novembro

Continua após a publicidade

Novas regras deixam mais de 60% dos trabalhadores demitidos sem seguro-desemprego

Agora é oficial: salário mínimo sobe para R$ 788 a partir de janeiro

O diretor do Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos (Depecon) da Fiesp e do Ciesp, Paulo Francini, reforça que a situação do emprego industrial no ano passado foi pior que a de 2009, durante a crise financeira mundial, quando o setor manufatureiro registrou uma redução de 4,5% do índice.

O economista alerta ainda que o cenário para este ano, com o esperado ajuste fiscal do governo e o aumento de tarifas como a de energia impacta nas estimativas de recuperação de indústria. “Entramos em 2015 com a indústria muito fragilizada e não vemos a menor possibilidade de 2015 ser um ano de recuperação como 2010 foi para 2009”, afirmou Francini, ao analisar uma provável retomada dos empregos este ano.

Continua após a publicidade

Para o economista, o desemprego deve ser “o grande tema” deste ano e o salário real do trabalhador não deve apresentar crescimento significativo. “Há uma pressão em cima do gasto público e já houve a redução dos gastos por parte dos ministérios. E isso significa menos dinheiro sendo colocado na economia, enquanto a taxa de juros deve crescer ainda. Portanto, este é um ano em que a atividade econômica vai ser negativamente afetada”, afirmou.

(Com Estadão Conteúdo)

Publicidade