Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Gol corrige falhas em seu site após multa nos EUA

Companhia aérea foi multada em 250 mil dólares pelo Departamento de Transporte dos EUA, a maior já aplicada pela agência americana desde que a legislação de proteção dos passageiros foi reforçada

Por Da Redação 27 nov 2013, 13h09

A companhia aérea Gol afirmou nesta quarta-feira que já corrigiu as falhas em seu site que ocasionaram uma multa de 250 mil dólares imposta pelo Departamento de Transporte dos Estados Unidos por violação das normas de proteção aos consumidores.

A multa, anunciada na terça-feira por Washington, foi aplicada porque o site que a Gol lançou em 2012 não incluía informações como planos de contingência para gerenciar atrasos prolongados com aviões em pista e um link com a lista de preços por bagagem e serviços opcionais.

A Gol informou que “ajustou a forma de acesso dos clientes a dados já disponíveis na página de compras da companhia para passageiros nos Estados Unidos, que não estavam de acordo com as determinações do Departamento de Transportes”. A companhia disse ainda que assinou um acordo com o Departamento de Transportes e que aceitou pagar a multa.

Leia também:

Receita por assento em voos da Gol cresce 24% em agosto

Continua após a publicidade

Gol reduz prejuízo mas ainda opera (muito) no vermelho

Preços de passagens da Gol subiram 14% em outubro

O Departamento de Transportes alegou que a empresa violou as normas de proteção aos consumidores por não revelar toda a informação sobre as taxas aplicadas aos viajantes. Contudo, a empresa disse em nota que “o site funciona desde o final de 2012 e que, desde então, não registrou nenhuma reclamação por parte de nenhum cliente”.

O órgão argumentou ainda que a companhia aérea brasileira não informava em seu site a totalidade de impostos e taxas aplicadas nas buscas dos consumidores e que dificultava o acesso às condições de viagem, o que impedia a comparação com preços de outras companhias.

Foi a maior multa já aplicada pela agência americana desde que a legislação de proteção dos passageiros foi reforçada, em abril de 2011. “Adotamos estas normas para assegurar que os passageiros sejam tratados com respeito quando compram uma passagem ou embarcam em um avião”, afirmou Anthony Foxx, secretário de Transporte dos EUA em nota.

(com agência EFE)

Continua após a publicidade
Publicidade