Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Credor da OGX questiona pagamento a OSX

Em conversa com investidores da OGX, escritório de advocacia e corretora levantaram dúvidas sobre indenização a ser paga para a OSX

Por Da Redação 11 jul 2013, 10h03

O escritório advocacia americano Bingham McCutchen, especializado em casos de reestruturação de dívida, insolvência e litígios corporativos, e a corretora Nomura realizaram nesta quarta-feira uma conferência telefônica com detentores de bônus de dívida da OGX, segundo fontes próximas a ambas as empresas. Uma das questões levantadas foi o pagamento de indenização à OSX, estaleiro, em compensação aos gastos que a empresa teve com uma encomenda cancelada pela petroleira. Ambas as empresas – OGX e OSX pertencem ao mesmo grupo, a EBX, de Eike Batista.

O OGX tem 3,6 bilhões de dólares em bônus de dívida emitidos no exterior, com vencimento em 2018 e 2022. �Há muita preocupação entre os credores da OGX diante da falta de informações para justificar o pagamento�, disse uma fonte da Bingham. �Os credores temem que a OGX não esteja pagando um valor justo, ou, em outras palavras, repassando dinheiro para a OSX por qualquer outra razão. “Não sabemos o que estão fazendo, não sabemos o que diz o contrato entre ambas companhias, se especificam esse pagamento, de que forma, por qual valor”, disseram.

Depois de anunciar que poderá interromper a produção de óleo em alguns de seus campos, a OGX afirmou que pagaria à OSX 449 milhões de dólares para compensar a empresa de gastos já ocorridos por causa da encomenda cancelada e também pelo “direito ora estipulado em favor da OGX, nos contratos de afretamento do FPSO OSX-3 e WHP-2, no sentido de poder terminar esses contratos, sem ônus, a partir do 13º e 12º anos”.

Leia mais: Futuro da OGX foi escrito por Eike 5 anos atrás

OGX quer dar óleo de Tubarão Martelo como garantia à ANP

Segundo a fonte, embora a companhia tenha divulgado alguns detalhes, não respondeu o que a OGX ganha com isso, prosseguiu. “�Nossa experiência diz que quando uma empresa envia muito dinheiro para um afiliado e não explica o motivo, normalmente é injusto�”, acrescentou.

Continua após a publicidade

A mesma fonte disse ainda que a exposição do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) na OGX e na OSX traz questionamentos. �A exposição do BNDES na OSX é muito maior do que na OGX e há dúvidas se tal pagamento não acabará beneficiando o banco e prejudicando os credores�, afirmou.

Procurado, o BNDES reiterou, por meio de sua assessoria de imprensa, que a exposição direta atual do banco ao Grupo EBX, o conglomerado que reúne as empresas de Eike Batista, representa uma parcela muito pequena do patrimônio líquido de referência do BNDES.

O banco também ressaltou que, do volume total contratado, nem tudo foi liberado. O valor total das operações contratadas com o Grupo EBX, é de R$ 10,4 bilhões. O BNDES não revela qual é o valor contratado por cada uma das empresas.

Leia ainda: OGX tem 3º maior risco de default do mundo, mostra índice

CVM apura mais de 15 casos envolvendo empresas de Eike

(com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês