Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Zezé: a líder das empreguetes

Após brilhar como a copeira destrambelhada de ‘Avenida Brasil’, a atriz Cacau Protásio interpreta uma doméstica no teatro e se firma como voz da classe

Por Mariana Zylberkan 14 out 2012, 17h18
Cacau Protásio em cena da peça 'Domésticas'
Cacau Protásio em cena da peça ‘Domésticas’ VEJA

Entre tantas brigas e tensões, é incrível que a novela Avenida Brasil tenha conseguido arrancar risadas do público. O feito é mérito, principalmente, da personagem que roubou muitas cenas na trama de João Emanuel Carneiro. Além de respiro cômico na cabeluda história das nove, a Zezé de Cacau Protásio tornou-se representante da tão comentada classe C no horário nobre. “Essas pessoas sempre existiram e eram mal retratadas nas novelas, como gente muito pobre. Elas vivem no mesmo mundo que os ricos, mas eram excluídas. Por isso, Avenida Brasil faz tanto sucesso, mostramos um mundo real e o público se identifica. Ser empregada doméstica está na moda”, diz a atriz.

Diante de tanto sucesso, Cacau não pretende tirar o uniforme de doméstica tão cedo. Neste sábado, ela estreia no Rio de Janeiro a peça Domésticas (Teatro Sesi – av. Graça Aranha, 1, Centro, ingressos a 30 reais) para a qual foi escalada justamente por causa da personagem na Globo. “É um trabalho totalmente diferente da novela, justamente para mostrar que esse tipo de personagem não precisa ser igual sempre.”

Sob direção de Bianca Byington, o espetáculo é um documentário cênico em que os atores relatam histórias reais de empregadas domésticas. Serão encenados cerca de 30 depoimentos, que juntos formarão um painel da realidade dessas profissionais.

Mas a TV não ficará órfã da intérprete de Zezé. Em breve, Cacau volta para as novelas, mas ainda não conta para qual foi convidada. “Estou em negociação, só conto quando tiver assinado o contrato. Fiz assim com o papel em Avenida Brasil e deu certo, só descobriram que eu estava na novela quando me viram no ar.”

Leia a seguir a entrevista concedida por Cacau Protásio ao site de VEJA.

Você é tratada como uma representante das empregadas domésticas? Sim, elas vêm falar comigo na rua e acham que eu sou a personagem. Uma delas se aproximou de mim, me abraçou e começou a chorar, disse que também era maltratada pela patroa. Eu tentei argumentar que a Zezé só existe na novela, mas não adiantou, tive que entrar na onda dela. Não sabia o que fazer, então, disse: “Fé em Deus”. Pessoas próximas precisaram ajudar a me desvencilhar dela.

Você acredita que o sucesso da Zezé reafirma a atual badalação em torno da classe C? Sem dúvida, e isso é muito bom. Essas pessoas sempre existiram e eram mal retratadas nas novelas, como gente muito pobre. Elas vivem no mesmo mundo que os ricos, mas eram excluídas. Por isso, Avenida Brasil faz tanto sucesso, mostramos um mundo real e o público se identifica. Ser empregada doméstica está na moda.

De que forma Zezé se insere numa discussão social? Se a vida na mansão não tomasse tanto tempo, ela seria uma líder das domésticas no Divino, iria reunir todas para lutar por seus direitos. É uma pena que a personagem não tenha tido a oportunidade de conhecer outras domésticas e fazer amizade. Ela iria agitar o bairro.

Como se dá a identificação do público com a Zezé? A Zezé é do povão, ela existe de fato, apesar da maioria não se identificar com seu lado fofoqueiro. Tenho uma família grande tanto do lado materno quanto paterno, então, minha inspiração para criar a Zezé veio principalmente de avós e tias, de um mundo real. Graças a Deus, não convivo com ninguém fofoqueiro como ela, pelo menos até onde eu sei.

Continua após a publicidade

Quando percebeu que a Zezé tinha estourado? Ela cresceu muito ao longo da novela. Foi uma surpresa para mim esse sucesso todo, uma espécie de transformação. A personagem é cômica, mas está inserida num núcleo muito tenso, pesado, por isso fiz questão de carregar na pimenta da comédia.

De onda tira os bordões que fazem tanto sucesso? Faço homenagens a familiares e amigos através dos bordões. O “tiro, porrada e bomba”, dito por Zezé quando fala sobre a expulsão da Carminha da mansão, é uma homenagem ao meu primo, o coreógrafo Marcelo Chocolate. Ele sempre fala isso para animar as aulas de dança. Pretendo citar outras duas frases ditas por pessoas próximas a mim, vamos ver se consigo.

Como encara esse assédio todo? Todo dia realizo um sonho. Sempre quis fazer novela e ter meu trabalho reconhecido.

Como surgiu o convite para atuar na peça? Foi por causa da Zezé, mas vou fazer um trabalho totalmente diferente da novela para mostrar que esse tipo de personagem não precisa ser igual sempre. A experiência é inédita na minha carreira. Por ser um documentário cênico, vou contar histórias reais de empregadas domésticas. Como eu sempre fiz comédia, é mais fácil ir para esse lado.

A Zezé gosta mesmo da Carminha? Mais do que gostar, ela quer estar no lugar dela. Acho que ainda não caiu a ficha para a Zezé do quanto a patroa é ruim. Ela não liga para o que acontece ao seu redor, se ganha seu salário no fim do mês, já está bom. Ela quer viver e ser feliz. A Zezé é fofoqueira, mas também é justa.

Qual vai ser o fim de Zezé? Acho que vai ser algo bem água com açúcar, ela descobre a verdade sobre Carminha e continua a vidinha dela, trabalhando na mansão.

O que vai fazer após a novela? Estou em negociação para fazer outra novela, mas só conto quando tiver assinado o contrato. Fiz assim com o papel em Avenida Brasil e deu certo, só descobriram que eu estava na novela quando me viram no ar.

Zezé sente inveja de Nina e reclama com Janaina
Zezé sente inveja de Nina e reclama com Janaina VEJA

Zezé avisa Nina que sabe sobre seu romance com Jorginho
Zezé avisa Nina que sabe sobre seu romance com Jorginho VEJA

As domésticas do Divino se encontram na casa de Janaina
As domésticas do Divino se encontram na casa de Janaina VEJA

A pedido do público, Zezé foi finalmente 'congelada' após capitulo de 'Avenida Brasil'
A pedido do público, Zezé foi finalmente ‘congelada’ após capitulo de ‘Avenida Brasil’ VEJA

Zezé implora para que Carminha não a mande embora
Zezé implora para que Carminha não a mande embora VEJA

Disfarce nada discreto de Zezé para localizar o cativeiro de Carminha
Disfarce nada discreto de Zezé para localizar o cativeiro de Carminha VEJA

Zezé resgata Carminha da clínica de repouso
Zezé resgata Carminha da clínica de repouso VEJA

Zezé dá em cima de Adauto
Zezé dá em cima de Adauto VEJA

http://www.youtube.com/embed/ypg3NU4qFUI
Me chama de amendoim

A dança improvisada em cena ultrapassou os limites da novela e virou hit na internet. O refrão “Eu quero ver você me chamar de amendoim”, inventado por Cacau Protásio em cima da música Correndo atrás de Mim, da banda Aviões do Forró, virou clipe no Youtube, onde acumula mais de 300 000 visualizações.  

Zezé avisa o motorista Herculano que a família Tufão está em pé de guerra na sala
Zezé avisa o motorista Herculano que a família Tufão está em pé de guerra na sala VEJA

Zezé conta para Janaina que Carminha foi expulsa da mansão
Zezé conta para Janaina que Carminha foi expulsa da mansão VEJA

Janaina pede ajuda para Zezé
Janaina pede ajuda para Zezé VEJA

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)