Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Os vinhos com rótulos ancorados no marketing das celebridades

As celebridades adoram colar seu nome a safras da bebida — algumas são excelentes, mas quase sempre a jogada é de publicidade

Por Alexandre Senechal Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 4 jun 2024, 14h18 - Publicado em 12 jun 2020, 06h00

Famoso que é famoso, hoje em dia, precisa apresentar duas credenciais: popularidade no Instagram e ter um rótulo de vinho para chamar de seu. Há algum exagero, sim, na segunda condição — mas não está muito longe da realidade. Brotam, como uvas em parreiras, garrafas com a marca de gente celebrada. Brad Pitt e Angelina Jolie têm um rosé particular, o Muse de Miraval, produzido por uma família do Ródano francês que aprendeu o métier em Châteauneuf-du-Pape. A mais recente sócia do clube é a cantora pop australiana Kylie Minogue. Ela acaba de anunciar sua “grande paixão”, um rosé — sempre um rosé, um tanto na moda, suave, boa companhia para carnes magras, massas leves e verduras gratinadas — que leva seu nome, vendido pelo equivalente a 75 reais. Tudo muito bem, e os artistas têm o legítimo direito de lançar vinhos como quem assina perfumes, mas há um truque fácil de ser desmascarado. Costuma ser marketing, ainda que algumas safras sejam aplaudidas. Compra-se a grife. “Nem sempre a qualidade combina com o preço”, resume Alexandra Corvo, sócia e professora do Ciclo das Vinhas — Escola de Vinho, de São Paulo. No caso de Kylie, lê-se, em letras pequenas, “vin de France”, porque é realmente francês, produzido na Provença, mas não é um DOC, a denominação de origem controlada que assegura a localização geográfica, única e insubstituível, de uma produção vinícola.

ABUSO- O Miraval do ex-casal “Brangelina”: 12 000 reais em leilão (Barry King/FilmMagic/Getty Images)

Há, claro, exceções de qualidade, como os respeitadíssimos chardonnay de Francis Ford Coppola do Napa Valley californiano e, sim, o Anima, varietal de merlot da Bueno Wines, do locutor esportivo Galvão Bueno, extraído na Campanha Gaúcha, no Rio Grande do Sul. Mas a regra é a inflação do paladar quando os vinhos estão atrelados a gente conhecida. Note-se, por exemplo, que o Miraval do ex-casal “Brangelina” chegou a ser vendido, em leilão beneficente, pelo equivalente a nada suaves 12 000 reais. O veredicto, segundo Manoel Beato, chef sommelier do restaurante Fasano, de São Paulo: “Já provei vinhos deles e chegam a ser maravilhosos, mas não dá para pagar tão caro por um rosé”. É exagerado mesmo — e, em se tratando dos sutis prazeres de Baco, convém lembrar de um batido e útil ditado do tempo de nossos avós: “Por fora, bela viola, por dentro, pão bolorento”.

ASSINE VEJA

Os desafios dos estados que começam a flexibilizar a quarentena O início da reabertura em grandes cidades brasileiras, os embates dentro do Centrão e a corrida pela vacina contra o coronavírus. Leia nesta edição. ()
Clique e Assine

Publicado em VEJA de 17 de junho de 2020, edição nº 2691

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.