Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Números de ‘O Hobbit’ decepcionam analistas

Entre sexta e domingo, novo filme de Peter Jackson arrecadou 222 milhões de dólares no mundo todo, 84 milhões de dólares nos Estados Unidos

Por Da Redação 17 dez 2012, 13h20

O filme O Hobbit: Uma Jornada Inesperada, que marca o início da nova trilogia de Peter Jackson inspirada no primeiro romance de J. R. R. Tolkien, estreou com números abaixo do esperado neste fim de semana. De acordo com a estimativa do site Box Office Mojo, especializado em bilheteria, o longa fez 84,7 milhões de dólares nos Estados Unidos e 138,2 milhões de dólares nos mercados estrangeiros, totalizando 222,9 milhões de dólares entre sexta-feira e domingo. No Brasil, o longa levou 645 350 pessoas ao cinema.

Leia também:

Leia também: O Hobbit: Uma jornada frustrada

Veja crítica de Isabela Boscov de O Hobbit

Jogo: Conduza o hobbit por sua jornada

Continua após a publicidade

Ian McKellen, o Gandalf, tem câncer de próstata

Conheça os lugares e personagens do universo de Tolkien

Ainda que o desempenho no mercado americano represente um recorde para dezembro, mês normalmente de estreias fracas, ele fica aquém do que projetavam analistas importantes da indústria. Segundo o jornal Los Angeles Times, a estimativa era que o longa, cujo orçamento foi de 250 milhões de dólares, abrisse com algo entre 120 milhões e 140 milhões de dólares nos EUA ou mais. O Imdb, site especializado em cinema, apostava em mais de 100 milhões. “O Senhor dos Anéis é uma das franquias mais populares da história, e adaptação de seu prólogo deveria ter sido um estouro de bilheteria”, escreveu por sua vez um analista do Box Office Mojo.

Ainda nos EUA, a bilheteria do fim de semana de estreia de O Hobbit foi maior do que a trilogia O Senhor dos Anéis. A Sociedade do Anel estreou com 47 milhões, As Duas Torres, com 62 milhões, e O Retorno do Rei com 72 milhões de dólares. Porém, se esses números fossem ajustados para os preços dos ingressos praticados hoje, seriam maiores. O lucro de O Hobbit também aparenta ser maior porque grande parte das exibições do longa são em 3D ou Imax, que têm ingressos mais caros do que as salas convencionais.

Entre os principais motivos para a fraca estreia do filme, estariam a grande quantidade de críticas negativas publicadas por veículos especializados e as controvérsias em que o filme esteve envolvido, como a decisão de Peter Jackson em filmar em 48 quadros por segundo — uma velocidade maior, que dá sensação de hiperrealidade — e acusações de que animais teriam morrido durante as filmagens.

Apesar disso, os maus números iniciais não devem prejudicar o filme. Segundo o Box Office Mojo, lançamentos de dezembro tendem a emplacar aos poucos, ganhando força durante as festas de fim de ano. Espera-se que ele lucre algo em torno de 300 milhões de dólares nos Estados Unidos, número semelhante ao obtido por cada um dos filmes da trilogia O Senhor dos Anéis.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês