Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Na televisão, Paula Lavigne se diz vítima de ‘bullying’

Presidente do grupo Procure Saber defendeu manutenção da lei que permite proibição de biografias não autorizadas durante o programa 'Saia Justa'

Por Da Redação
16 out 2013, 23h01

Paula Lavigne, presidente do grupo Procure Saber, que reúne artistas como Caetano Veloso, Roberto Carlos, Chico Buarque e Gilberto Gil, assumiu papel de vítima em sua participação no programa Saia Justa, do canal pago GNT. A empresária afirmou que o grupo está sofrendo “bullying” só por “tentar propor” uma discussão, mas repetiu que uma biografia não deve ser comercializada sem autorização – ou sem ganhos para o retratado ou seus herdeiros.

Leia também:

“O filho do Sérgio Buarque de Holanda quer proibir livros de história?”

Para editor de Chico Buarque, Procure Saber elegeu ‘vilão errado’

A participação de Paula ocupou quase todo o programa desta quarta-feira. Ao lado de Astrid Fontenelle, Maria Ribeiro, Barbara Gancia e Mônica Martelli, elenco fixo do Saia Justa, a empresária afirmou estar ali como “pessoa física” e não como porta-voz do grupo – que, frisou ela por três vezes em um discurso feito com a intenção de sensibilizar a audiência, não tem sequer assessoria de imprensa.

Continua após a publicidade

Paula não explicou a posição dos artistas de forma clara, fugindo de perguntas diretas sobre a exigência de autorização prévia para publicação de biografias, mas reafirmou que é contra o lucro exclusivo de quem escreve e publica. “Você pode fazer uma biografia, o que não pode é comercializar sem autorização”, disse.

A empresária defendeu o direito à privacidade acima do direito à livre expressão e ao acesso à informação e disse ser contra o fim dos artigos 20 e 21 do Código Civil, que dão base legal para a proibição de biografias não autorizadas. Mas, frequentemente, assumiu uma imagem de humildade. “Eu quero discutir, quero aprender”, repetiu. “Nós fomos acusados de censores, mas ninguém deu espaço para a gente se explicar. Estamos num conflito entre dois diretos fundamentais: o direito à liberdade de informação e expressão e o direito à privacidade”, disse ela.

Bate-boca – A convidada bateu de frente com a jornalista Barbara Gancia, que defendeu a liberdade de expressão como “pedra fundamental” de todas as outras liberdades nas sociedades democráticas. “A democracia tem que conviver com o escracho e o deboche”, disse a jornalista, que ainda criticou a posição de Paula e do Procure Saber sobre a distinção entre a vida de artistas e de políticos. Para o grupo, estes não teriam direito de vetar biografias pois ocupam cargos públicos. “A lei brasileira não funciona direito para você e para mim. Você quer que funcione só pra você”, afirmou Barbara. “O que eu acho é que é uma irresponsabilidade a gente mexer numa coisa tão séria que é a vida privada das pessoas, sem a gente discutir”, alegou Paula.

O clima entre as duas ficou tenso desde que a jornalista acusou a empresária de “oportunismo” e “ganância” em sua coluna na Folha de S. Paulo. Depois de provocações indiretas no programa, Paula Lavigne questionou: “Barbara, você é gay assumida, né? Qual o nome da sua namorada?”. Após Barbara dar a resposta, Paula disse: “Ela (a namorada) não vai se sentir bem vendo eu perguntar isso. É disso que estou falando. Você não está entendendo na teoria e agora viu na prática como é ruim ter a privacidade invadida”. A jornalista rebateu: “Se você não gostou de alguma coisa que eu escrevi, chama seu pai (o advogado Arthur Lavigne) e me processa”.

Continua após a publicidade

Leia também:

Ministério Público Federal diz não à mordaça às biografias

Glória Perez se oferece a ir ao STF em nome do Procure Saber

Roberto Carlos quer censurar mais uma publicação

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.