Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Museus publicam obras com ‘nudes’ no OnlyFans em protesto contra a censura

Iniciativa, apoiada por artistas, visa trazer debate sobre as diretrizes das redes sociais para obras de arte que exploram a nudez

Por Marcelo Canquerino Atualizado em 19 out 2021, 18h10 - Publicado em 19 out 2021, 17h42

Os museus de Viena estão exibindo algumas de suas obras de artes em um local incomum. Em protesto contra a censura das redes sociais, o conselho de turismo da cidade criou um perfil na plataforma de conteúdo adulto OnlyFans. Por 4,99 dólares por mês, os visitantes podem acessar peças de nus pintados e estátuas picantes de instituições renomadas como a Galeria Albertina e o Museu Leopold, que alegam que as peças não são necessariamente de natureza sexual.

De acordo com Helena Hartlauer, chefe de relações com a mídia do Conselho de Turismo de Viena, a iniciativa vai muito além de uma jogada publicitária. Os organizadores pretendem iniciar um debate sobre a importância das mídias sociais e os problemas que elas carregam consigo. Segundo Hartlauer, embora algumas pessoas argumentem que os museus poderiam usar outras obras para se promoverem, o buraco é muito mais embaixo, já que hoje é cada vez mais difícil dizer quais conteúdos serão rotulados de explícito na internet. “Essas plataformas não são nem um pouco transparentes”, disse em entrevista ao ARTnews.

As medidas de censura de outras redes sociais já vinham acontecendo há certo tempo e foram o motivo para o Conselho de Turismo de Viena criar um perfil no OnlyFans. Em julho deste ano, a conta da Galeria Albertina no TikTok foi suspensa e depois bloqueada após exibir uma obra de Nobuyoshi Araki, que continha fotos de mulheres nuas. Já em setembro, o Museu Leopold teve sua campanha de 20º aniversário marcada como “potencialmente pornográfica” pelos algoritmos do Facebook após postar a arte do ilustrador Art Nouveau Koloman Moser. Após o ocorrido, o Museu decidiu substituir a obra. A rede social de Mark Zuckerberg, inclusive, já havia censurado a peça Vênus de Williendorf em uma postagem do Museu de História Natural de Viena. A estátua é um antigo talismã de fertilidade representado por uma mulher nua com os seios aumentados.

A Vênus de Willendorf.
A Vênus de Willendorf. ARTNews/Museu de História Natural de Viena/Reprodução

O Conselho de Turismo de Viena afirmou que, com a iniciativa, não estava fazendo nenhum tipo de pretensão sobre sexualidade e nudez nas obras de artes dos museus. “Nós também queríamos fazer isso para mostrar solidariedade aos artistas que são censurados. Se você não pode mostrar sua arte nas redes sociais, isso pode realmente ser um obstáculo para seus esforços de comunicação e até mesmo para sua carreira”, disse Hartlauer.

Diversos artistas demonstraram apoio a luta dos museus contra a censura, expressando preocupação acerca das diretrizes de mídias sociais como Instagram. A artista Clarity Haynes, em artigo publicado pelo ARTnews, relatou as repetidas (e frustradas) vezes em que tentou postar autorretratos nus da fotógrafa Laura Aguilar em sua conta.

Continua após a publicidade

Publicidade