Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Membros da Academia se defendem de acusações de racismo no Oscar

Votantes do prêmio se disseram ofendidos após críticas à ausência de indicados negros

Por Da Redação 20 jan 2016, 19h07

“Tivemos muitos filmes em 2015 que eram principalmente sobre pessoas brancas. Falem com os estúdios para mudar isso, não com a Academia”, diz um dos membros

O Oscar deste ano tem causado discussões em torno da ausência de atores negros nas vinte indicações das categorias de atuação – situação semelhante à do ano passado, quando todos os concorrentes também eram brancos. Após diversas críticas na internet, com a hashatg #OscarsSoWhite (Oscar tão branco), o anúncio de Spike Lee e Jada Pink Smith, esposa de Will Smith, sobre um boicote ao evento e o posicionamento de George Clooney de que a Academia estava “andando na direção errada“, membros da entidade que cuida do prêmio máximo do cinema decidiram se defender.

LEIA TAMBÉM:

“Decepcionante”, diz presidente da Academia sobre falta de negros no Oscar

Continua após a publicidade

Ator de ‘Selma’ diz que Hollywood só premia negros em papéis submissos

Confira a lista de indicados ao Oscar 2016

Ao site da revista americana The Hollywood Reporter, alguns votantes ativos do Oscar se explicaram sobre a situação e negaram racismo. Penelope Ann Miller (O Artista) afirmou que chegou a votar em artistas negros. “Fiquei muito chateada que eles acabaram não sendo indicados, mas supor que isso é porque todos os membros são racistas é extremamente ofensivo. Não quero ser colocada nessa categoria porque certamente eu não sou. Eu apoio e me beneficio do talento de pessoas negras no meio. Apenas foi um ano extremamente competitivo”, disse ela.

Outro membro, que não quis se identificar também comentou o caso com a revista americana. “Estou muito ofendido com a ideia de que algumas pessoas estão nos chamando de racistas. A cor dos artistas não passou pela minha cabeça enquanto eu registrava meus votos e, na verdade, eu nomeei uma pessoa negra para o prêmio. Essas declarações são extremamente irresponsáveis”, disse.

Jeremy Larner, que vota nas categorias de roteiro, também se defendeu das acusações de que Straight Outta Compton – A História do N.W.A, teria ficado de fora por racismo. “Não posso provar que ninguém na Academia é racista. Mas eu não achei Straigh Outta Compton um bom filme por questões de estrutura e substância”. Ele também afirmou que a culpa não é de quem escolhe, mas sim da falta de papéis para negros no cinema atual: “Tivemos muitos filmes em 2015 que eram principalmente sobre pessoas brancas. Falem com os estúdios para mudar isso, não com a Academia”.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês