Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Max von Sydow: o gigante escandinavo do cinema

O ator morreu no domingo 8, aos 90 anos, de causa não revelada, na França

Por Raquel Carneiro Atualizado em 13 mar 2020, 10h05 - Publicado em 13 mar 2020, 06h00

Em sua última conversa com o diretor Ingmar Bergman (1918-2007), o ator Max von Sydow ouviu do amigo e parceiro de longa data no cinema: “Max, você foi o primeiro e o melhor Stradivarius que eu já tive nas mãos”. A comparação com o mais cobiçado dos violinos carrega uma verdade: é difícil falar de Von Sydow sem lembrar de sua comunhão artística com Bergman. A dupla sueca se conheceu no teatro em 1955. A rápida simbiose entre eles culminou no belíssimo filme O Sétimo Selo (1957). Na obra-prima do cineasta, o ator interpreta Antonius, um cavaleiro das Cruzadas que retorna a seu país e o encontra tomado pela peste negra.

Com imponente 1,93 metro, rosto de traços salientes e olhar penetrante, Von Sydow emprestou seu porte e talento ao protagonista, ora atuando com leveza e humor, ora com sobriedade. Na cena mais emblemática, Antonius joga xadrez com a Morte (interpretada por Bengt Ekerot).

A vasta parceria entre diretor e ator teve outro marco, o intenso A Fonte da Donzela (1960), em que Von Sydow é um pai sedento de vingança pelo assassinato da filha. A partir dali, o gigante escandinavo passou a ser cortejado por grandes estúdios. Mas não gostou da abordagem: chegou até a recusar o papel do vilão em 007 contra o Satânico Dr. No (1962). “Por anos, Hollywood só me convidou para interpretar vilões ou personagens bíblicos”, disse. Foi com um papel sagrado, aliás, que os americanos quebraram a resistência. No épico A Maior História de Todos os Tempos (1965), Von Sydow entregou uma das melhores versões cinematográficas de Jesus. Foi, porém, outro personagem religioso, o padre Merrin, de O Exorcista (1973), que lhe conferiu apelo pop.

Sua prolífica carreira transitou entre esses dois mundos, rendendo-lhe duas indicações ao Oscar: uma pelo sueco Pelle, o Conquistador, de 1987, e a outra pelo hollywoodiano Tão Forte e Tão Perto, de 2011. Idoso, fez participações de luxo em superproduções como Star Wars. Na TV, esteve em Os Simpsons e Game of Thrones. Ele morreu no domingo 8, aos 90 anos, de causa não revelada, na França.

Publicado em VEJA de 18 de março de 2020, edição nº 2678

Continua após a publicidade

Publicidade