Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Fábio Assunção sobre dependência: ‘Um estigma com o qual tenho que lidar’

'Para mim, esse assunto já foi. Estou em outra fase', afirmou o ator no programa 'Conversa com Bial'

Por Redação Atualizado em 1 nov 2018, 12h02 - Publicado em 1 nov 2018, 11h45

Fábio Assunção afirmou durante o programa Conversa com Bial, na noite de quarta-feira, que não luta mais contra a dependência química. “Já tive um uso exagerado e uma relação obsessiva. É uma coisa que pode acontecer. Você não sabe se o uso recreativo de alguma coisa vai te levar a isso. Para mim, esse assunto já foi. Estou em outra fase”, explicou. O tema, no entanto, ainda é frequente em sua vida: “Esse assunto é recorrente, tem um estigma que eu tenho que lidar”. 

A fala foi ligada ao caso de junho de 2017, quando Assunção foi detido pela polícia na cidade de Arcoverde, no sertão de Pernambuco, onde divulgava o documentário Samba de Cocoexibido na abertura oficial do São João. Na ocasião, ele negou que tenha utilizado qualquer droga ilícita que pudesse justificar sua reação. “Infelizmente aconteceu uma briga. Errei ao me exceder. Não fiz uso de nenhuma droga ilícita – o que será comprovado pelo exame toxicológico que eu mesmo pedi para ser feito”, afirmou o ator dias após o ocorrido.

“Eu estava comemorando e saí para fazer xixi lá fora. Teve uma discussão, teve uma briga e foi ruim. Levei três chutes na cara, rolei um barranco e as pessoas estavam filmando. Isso é muito cruel”, relembrou no programa do Bial. 

Fui para o hospital e uma pessoa da UTI saiu para me filmar. Eu saí completamente desesperado do hospital e passou um carro de polícia. A gente chamou a polícia, mas eles acharam que estava tendo alguma confusão”, explicou o ator. “Obviamente eu saí do tom, não tratei a polícia com respeito, gritei com eles. Mas, imediatamente, fui algemado, isso, para mim, foi uma coisa muito violenta. Já reagi. Foi tudo errado”, concluiu.

O caso ganhou repercussão nas redes sociais e imagens do ator foram utilizadas como memes sobre o uso de bebidas alcoólicas. “Por conta de Arcoverde, sou o sextou (risos). Sempre achei os memes muito ofensivos. Conversei com o meu filho e disse que tinha um que eu queria processar. Ele falou: ‘Pai, não faz isso, porque é zoeira’. Me caiu uma ficha. Só eu posso dar importância ou não para isso”, afirmou. “Daqui a pouco, alguém vai tomar um porre em uma sexta-feira e eu vou perder o título.”

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)