Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Entre altos e baixos, Oscar 2021 se encaixa no ‘novo normal’ da pandemia

Premiação encontrou um formato elegante, mas exibiu as feridas de um período no qual o cinema foi dramaticamente prejudicado

Por Raquel Carneiro Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
26 abr 2021, 00h34

Toda cerimônia do Oscar inicia-se com um tradicional monólogo de abertura. Geralmente, o apresentador, que muitas vezes é um comediante, alfineta a plateia apinhada de celebridades, fala com ironia dos indicados e, se possível, faz uma piada de tom político. Este ano, porém, a premiação mudou radicalmente seu formato. A atriz e cineasta Regina King foi a responsável por abrir a festa, mas com sobriedade nos olhos e um discurso que celebrava a vida e a importância da arte. A transformação que pautou o clima do restante da premiação foi uma das muitas mudanças feitas pela Academia de Hollywood para apresentar uma versão minimamente elegante do Oscar em plena pandemia — e que não parecesse uma reunião do Zoom.

O anfiteatro do Dolby Theatre, em Los Angeles, casa oficial da cerimônia, foi trocado pela charmosa arquitetura do prédio Union Station, na mesma cidade americana, onde mesas foram posicionadas com distanciamento social para os indicados. Em Paris e Londres, duas outras sedes foram montadas para os que não puderam viajar. Máscaras, liberadas pela organização da festa, eram vistas nos rostos de alguns poucos participantes – quando as câmeras não estavam filmando, todos deveriam devolver o acessório ao rosto.

Olivia Colman indicada a Melhor Atriz Coadjuvante por seu papel no longa 'Meu Pai'
Olivia Colman indicada a atriz coadjuvante por seu papel no longa ‘Meu Pai’ foi uma das celebridades a acompanhar a cerimônia de Londres (Karwai Tang/Getty Images)
Oscar 2021: Celebridades em mesas com distanciamento social -
Oscar 2021: Celebridades em mesas com distanciamento social – (Todd Wawrychuk/Getty Images)

Apesar da boa produção e do respiro que foi vislumbrar um futuro em que as máscaras se tornem raridade, o Oscar foi duramente afetado pela pandemia no cerne de sua missão: os filmes. Com os cinemas fechados durante o ano passado, levantaram-se dúvidas se o Oscar se sustentaria. Produções foram adiadas. Muitas foram para o streaming. Tanto que a grande maioria dos indicados era composta por longas independentes que conseguiram se sobressair ocupando as salas que lutavam para exibir uma novidade enquanto grandes estúdios cancelavam suas estreias.

Continua após a publicidade

O esquema de lançamento global de filmes, aliás, foi brutalmente modificado. Tanto que o Brasil, por exemplo, perdeu a chance de uma saudável maratona com os indicados ao Oscar, já que muitos títulos estrearam recentemente nos poucos cinemas abertos. O clima geral de melancolia do país também não anda propício para curtir um “filminho” – especialmente as produções dramáticas típicas da premiação.

A mornidão conduziu também a divisão de estatuetas. Nomadland foi o grande vencedor da noite, com as estatuetas de melhor filme, direção e atriz, para Frances McDormand, confirmando o favoritismo do título que acompanha a vida de nômades pelo interior dos Estados Unidos. Meu PaiA Voz Suprema do Blues, Judas e o Messias Negro, O Som do Silêncio, Soul e Mank levaram cada duas estatuetas. Bela Vingança,  Druk – Mais uma RodadaMinari e Tenet saíram com um troféu cada um.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.