Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Como a 4ª temporada de ‘The Crown’ celebrou o pop dos anos 80

Músicas de Blondie, Elton John, Duran Duran, David Bowie e outros artistas ajudaram a fazer da série um dos destaques absolutos de 2020

Felipe Branco CruzPor Felipe Branco Cruz 23 dez 2020, 10h09

Alerta de spoiler: o texto a seguir revela detalhes sobre a quarta temporada de The Crown.

Muito já se discutiu se os acontecimentos mostrados na quarta temporada de The Crown são verdadeiros ou não. O secretário de cultura do Reino Unido, inclusive, chegou a pedir que a Netflix incluísse no início da série um aviso de que se trata de uma obra de ficção – o que não foi atendido pela gigante de streaming. Mas há um fato acima de contestações: a seleção musical de The Crown 4 é soberba, com artistas pop escolhidos sob medida para ilustrar a década de 1980, tão saborosamente retratada na trama. Há faixas tão distintas como Let’s Dance, de David Bowie, ou Vienna, do Ultravox. O resultado é um afiado resumo do que de mais divertido foi produzido naquela década:

Episódio 1
Blondie, Call Me
O título da música e o nome da banda (liderada pela americana Debbie Harry) serviram perfeitamente para embalar o momento em que o príncipe Charles liga pela primeira vez para Diana, em 1978. A tímida ligação marcou o início da aproximação entre os dois.

Episódio 3
Duran Duran, Girls on Film
Se não fosse o detalhe de se passar dentro do portentoso Palácio de Buckingham, a cena em que a princesa Diana anda de patins enquanto escuta em seu walkman Girls on Film, do Duran Duran, poderia muito bem representar qualquer garota de seus 20 anos nos anos 1980. No trecho em questão, Diana acabara de se mudar para o palácio e se vira sozinha e longe da pompa e circunstância que imaginou ser a vida na realeza. Todos os membros da família real estão em compromissos oficiais e a solitária princesa resolve patinar em cima dos históricos tapetes reais para passar o tempo.

Episódio 3
Elton John, Song for Guy
No mesmo episódio, outra vez vemos Diana se divertindo enquanto ouve música e se sente cada vez mais sozinha. Na cena, ela está dançando em uma sala ao som da emotiva Song for Guy, de Elton John. Na vida real, aliás, o artista se transformou em um grande amigo da princesa e tocou em seu funeral.

Episódio 3
Stevie Nicks, Edge of Seventeen
Um dos poucos momentos em que Diana está realmente feliz é quando ela sai para se divertir em uma balada com três amigas, após anunciar o noivado com o Príncipe Charles. A trila sonora é esse clássico da carreira solo da ex-vocalista do Fleetwood Mac.

Episódio 3
Ultravox, Vienna
O hit do eletro pop dos anos 1980 Vienna, do Ultravox, é o som que Diana usa como alarme de seu relógio de cabeceira. A música a acorda nos dias tristes que ela passa dentro do palácio.

Continua após a publicidade

Episódio 5
The Cure, Boys Don’t Cry
O quinto episódio retrata uma situação absolutamente inacreditável em que um homem consegue invadir o castelo e ficar cara a cara com a rainha em seu quarto, em 1982. Todos os sistemas de segurança falharam. A faixa Boys Don’t Cry toca enquanto o homem escuta rádio, em um pequeno apartamento público para cidadãos de baixa renda, no norte de Londres

Episódio 7
David Bowie, Let’s Dance
Uma das personagens mais interessantes da série, a princesa Margaret (Helena Bonham-Carter) ganha um episódio denso sobre sua melancólica maturidade. Enquanto luta com uma doença pulmonar e sofre com seu ocaso na vida amorosa e na família real, Margaret expia suas dores em uma cena tocante em que dança com um amigo ao som do hit de David Bowie.

Episodio 8
Linton Kwesi Johnson, Fite Dem Back
Um dos artistas cult do reggae, Linton Kwesi Johnson nasceu na Jamaica quando o país ainda era colônia britânica e se mudou para a Inglaterra no início dos anos 1960. Sua música surge quando alguns manifestantes protestam em Londres por uma África do Sul Livre e pelo fim do regime racista do Apartheid.

Episódio 9
Billy Joel, Uptown Girl
Parece até ficção, como o secretário de cultura britânico afirma. Mas não. No 37º aniversário do príncipe Charles, Diana o surpreendeu no Royal Opera House, ao subir no palco com o bailarino Wayne Sleep e dançar a prosaica Uptown Girl, de Billy Joel. Não há, no entanto, nenhum registro oficial em vídeo da performance, apenas fotografias.

Episódio 9
Queen, Crazy Little Thing Called Love
Quase no final do episódio, vemos Diana no carro com os filhos. Ela está feliz e canta com eles Crazy Little Thing Called Love, do Queen. Na cena, por alguns instantes nos esquecemos de que ela é Diana. Ali, estamos diante apenas de uma mãe curtindo um dia gostoso ao lado dos filhos.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)