Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Caso ‘Rust’: armeira processa fornecedor de armas por balas reais no set

Hannah Gutierrez-Reed acusa empresa de introduzir material perigoso e criar ambiente propício a acidentes como o tiro que matou Halyna Hutchins

Por Amanda Capuano 13 jan 2022, 11h37

A armeira de Rust, Hannah Gutierrez-Reed, está processando o fornecedor de armamentos Seth Kenney por introduzir munições reais no set do longa, o que provocou a trágica morte da diretora de fotografia Halyna Hutchins durante as filmagens, em outubro do ano passado. O processo foi iniciado na quarta-feira, 12, no estado do Novo México, e acusa Kenney de distribuir “caixas de munição que supostamente continham balas falsas, mas que, na verdade, contavam com uma mistura de munição falsa e real”, relata o documento.

A denúncia alega violações das regras da prática comercial do Novo México, criação de uma condição perigosa, declarações falsas sobre os materiais fornecidos, entre outras reivindicações. “Hannah e toda a equipe de filmagem de ‘Rust’ confiaram na informação do réu de que ele havia fornecido apenas munição fictícia. Ao fazê-lo, os réus criaram uma condição perigosa no set de filmagem, sem o conhecimento de Hannah Gutierrez-Reed, o que causou um risco previsível de ferimentos a várias pessoas”, descreve a queixa.

Proprietário da empresa de armamentos PDQ Arm & Prop, Kenney nega que a munição real encontrada no set tenha sido fornecida por sua empresa. Em uma entrevista em dezembro ao programa Good Morning America, o réu disse ter fornecido “as armas, a munição de festim e 50 cartuchos falsos” e que havia algo “muito único” nos cartuchos reais encontrados no local.

O processo sustenta ainda que o tiro acidental disparado pelo ator Alec Baldwin poderia ter sido evitado. O documento argumenta que Hannah carregou a arma que matou Hutchins com munições de uma caixa rotulada como “balas fictícias”, e a entregou ao diretor assistente Dave Halls. Ela, então, deixou o local para seguir os protocolos da Covid-19. “Se Hannah tivesse sido chamada de volta, ela teria inspecionado novamente a arma e todas as munições, e instruído Baldwin sobre a prática de tiro seguro com o saque cruzado, como era seu padrão no set”, relata a denúncia, que também acusa Baldwin de não ter respondido ao pedido de Hannah para agendar um treinamento em 15 de outubro, seis dias antes do disparo fatal.

 

Continua após a publicidade

Publicidade