Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Bruno Gagliasso a VEJA: “Nós, brancos, somos os vilões”

Ator fala sobre carreira, racismo e política

Por Marcelo Marthe Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 4 jun 2024, 11h36 - Publicado em 21 out 2022, 06h00

Santo traz seu primeiro protagonista internacional. Por que atores brasileiros buscam hoje uma carreira no exterior? Isso não é algo com que eu sonhava. Sempre fui atrás de bons papéis, não de uma carreira no exterior. O que me moveu foi fazer um personagem brasileiro que está em Madri, mas não precisa falar inglês ou espanhol. Esse momento no streaming é rico porque hoje você pode fazer uma série internacional sem sair do seu país.

De Marighella a uma futura série da Netflix sobre a chacina da Candelária, seus papéis têm tom político. Por que essa opção? Tenho orgulho de estar em projetos que falam sobre a história do nosso país. Uma história que tentam apagar, mas não vão conseguir. Eu tenho filhos pretos, pô. São projetos que eles vão ver no futuro.

A diversidade faz diferença em suas escolhas? Não só em meus trabalhos como ator, mas em toda campanha de publicidade exijo que haja pessoas pretas no projeto. Eu já ouvi falarem: “Pô, se chamar o Bruno é complicado, porque ele vai exigir que tenha gente preta”. E é isso. Eu exijo mesmo.

Como surgiu essa consciência? Fomos nós, brancos, que começamos essa m**** toda. Então, o mínimo que podemos fazer é exigir que haja companheiros pretos ao nosso lado. Essa consciência veio com os meus filhos. O amor faz a gente acordar.

Você apoia Lula e seu irmão Thiago é bolsonarista. É difícil lidar com isso? A gente tem posicionamentos tão distintos que fica fácil: não temos contato. Paramos de nos falar por uma questão ética. Sobre as diferenças políticas, nunca foi uma dúvida para mim, principalmente depois que o problema no país passou a ser moral.

Continua após a publicidade

As reuniões de fim de ano dos Gagliasso são complicadas? Não, porque não tem mais Natal em família.

Como analisa o episódio de racismo contra seus filhos em Portugal? Racismo não é para ser discutido, é para ser combatido. Fomos à polícia, não deixamos a criminosa fugir e tomamos as medidas cabíveis. Não vamos tolerar os intolerantes. Ensinem seus filhos a não ser racistas porque estou ensinando os meus a revidar.

Fazer um traficante branco na série Operação Maré Negra é uma escolha política? Busco fazer vilões quando os heróis são negros. Faço questão de me colocar nesse lugar, porque nós, brancos, não somos os heróis — somos os vilões que cometeram os crimes da história.

Publicado em VEJA de 26 de outubro de 2022, edição nº 2812

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.