Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Biografia revisa dramas da diva Maria Callas sob olhar feminista

Livro traz detalhes inéditos de sua trajetória turbulenta e desmente a fama de estrela irascível: ela teria sido uma vítima do machismo de seu tempo

Por Felipe Branco Cruz Atualizado em 18 jun 2021, 10h19 - Publicado em 18 jun 2021, 06h00
OFUSCANTE - No palco, como Medeia: a primeira cantora lírica glamorosa -
OFUSCANTE - No palco, como Medeia: a primeira cantora lírica glamorosa – ./Shutterstock

No auge da carreira, em 1951, a soprano Maria Callas fez uma série de apresentações no Brasil. Mas, ao visitar os trópicos, a virtuose de origem grega não deu apenas mostras de seu talento. Callas arrumou encrenca até com camareiros de hotel e cancelou em cima da hora uma das récitas, alegando mal-estar. Tudo condizente com a fama de ser a mais intratável das primas-donas. Na mesma medida em que era inegavelmente difícil, contudo, Callas colecionou tragédias e episódios de instabilidade emocional ao longo da vida. Agora, uma nova biografia pretende iluminar as razões desse comportamento errático. Lançada na Inglaterra na quinta 17, e ainda sem data para chegar ao país, Cast a Diva — The Hidden Life of Maria Callas reforça a tendência da historiografia atual de revisar a trajetória de mulheres célebres — de Ada Lovelace a Catarina, a Grande — sob um prisma feminista. Segundo sua autora, a irlandesa Lyndsy Spence, Callas teria sido vítima do machismo de seu tempo. “De fato, ela foi agressiva e arrogante na juventude. Mas muita coisa a seu respeito foi distorcida. Ninguém procurou entender a mulher por trás do mito”, afirmou Lyndsy em entrevista a VEJA.

+ Compre o livro em inglês Cast a Diva — The Hidden Life of Maria Callas

Na ópera, o mito de Maria Callas (1923-1977) é inquestionável. Ela era o que os especialistas chamam de soprano absoluta — uma intérprete capaz de atingir notas em um impressionante espectro sonoro. Nascida em Nova York, numa família de imigrantes que logo retornaria à Grécia por dificuldades financeiras, ela desde cedo teve de superar obstáculos para fazer valer seu dom artístico. Inclusive dentro do lar. O livro reconta sua relação conturbada com a mãe a partir de um manancial de informações inéditas: as mais de 200 cartas enviadas por 25 anos a seu padrinho e confidente, Leo Lerman, encontradas nos acervos das universidades Stanford e Columbia. A correspondência revela que, durante a II Guerra, a mãe oferecia as filhas para sexo aos soldados nazistas e italianos que ocupavam Atenas, em troca de dinheiro. Jackie, a irmã curvilínea, foi obrigada a se prostituir. Maria Callas, fora desse padrão de beleza, escapou porque os soldados preferiam pagar para ouvi-­la cantar. Anos mais tarde, quando ela já era uma estrela, a mãe fez chantagem: ameaçou falar do passado da família se não lhe desse dinheiro.

+ Compre o disco Drama Queen

Seus casamentos não foram menos complicados: Callas hoje seria considerada uma vítima de “machos tóxicos”. A autora a retrata como uma mulher submissa ao primeiro marido, Giovanni Meneghini. Quase trinta anos mais velho, ele maltratava e roubava dinheiro da então jovem estrela. Mas é sobre o avassalador relacionamento com o magnata grego Aristóteles Onassis, nos anos 60, que surgem as revelações mais chocantes. Callas confidencia nas cartas que Onassis a dopava e aproveitava para abusar dela sexualmente. Quando não conseguia, ele a humilhava, dizendo que Callas tinha só um apito na garganta.

Continua após a publicidade
DRAMAS PRIVADOS - Em 1940, com a mãe, Evangelia, que tentou prostituí-la, e a irmã, Jackie, e com o magnata Onassis, que a trocaria por Jacqueline Kennedy: ela sofreu humilhações e foi vítima até de abuso sexual -
DRAMAS PRIVADOS - Em 1940, com a mãe, Evangelia, que tentou prostituí-la, e a irmã, Jackie, e com o magnata Onassis, que a trocaria por Jacqueline Kennedy: ela sofreu humilhações e foi vítima até de abuso sexual – Reg Davis/Express/Getty Images

Foram notoriamente traumáticos dois lances da vida com Onassis — a perda de um bebê recém-nascido e a traição com a ex-primeira-dama americana Jacqueline Kennedy, por quem ele a trocaria. O estrago maior foi tê-la feito perder sua autoestima musical: Onassis fez de tudo para enterrar sua carreira, lançando Callas no mundo de aparências das colunas sociais. Pode-se dizer, aliás, que ela marcou a transição entre o velho perfil das divas de ópera rechonchudas e a era das celebridades com corpinhos de pin-­ups. Depois de Onassis, sua vida foi ladeira abaixo. O vício em remédios agravou um distúrbio neuromuscular que comprometeria cada vez mais sua bela voz. “A tragédia da vida de Maria é que ela basicamente pedia ajuda, mas as pessoas diziam que ela era maluca”, diz Lyndsy Spence.

+ Compre o disco Bellini. Norma (1952 – London)

A passagem pelo Brasil foi rápida, mas revelou-se um ponto de virada em sua biografia. Surgiu no país sua visceral rivalidade com a italiana Renata Tebaldi. Durante apresentação no Municipal do Rio, as duas combinaram que não cantariam o bis para que uma não ofuscasse a outra. Callas cumpriu o acordo, mas Renata, não. A partir daí, o que era uma cordial amizade deu lugar a uma renhida batalha de egos. O tour nacional também trouxe à luz uma de suas perdições, a obsessão por dietas. Diz a autora que seu “bolo” na récita paulistana não decorreu de um ataque de estrelismo, e sim de uma razão constrangedora: com 90 quilos, a diva não teria cabido no figurino. Ao voltar para a Itália, ela perderia quase metade do peso, e passaria o resto da vida lutando contra a balança. “Ela se tornou a primeira cantora de ópera glamorosa”, diz Lyndsy. Ser um mito cobrou um preço altíssimo da mulher real.

Publicado em VEJA de 23 de junho de 2021, edição nº 2743

CLIQUE NAS IMAGENS ABAIXO PARA COMPRAR

Cast a Diva — The Hidden Life of Maria Callas
Cast a Diva — The Hidden Life of Maria Callas
Drama Queen
Drama Queen
Bellini. Norma (1952 - London)
Bellini. Norma (1952 – London)

*A Editora Abril tem uma parceria com a Amazon, em que recebe uma porcentagem das vendas feitas por meio de seus sites. Isso não altera, de forma alguma, a avaliação realizada pela VEJA sobre os produtos ou serviços em questão, os quais os preços e estoque referem-se ao momento da publicação deste conteúdo.

Continua após a publicidade
Publicidade