Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

BarBaran é o melhor boteco de Curitiba

A fórmula do sucesso do lugar, vencedor na categoria pela terceira vez: cerveja gelada e receitas típicas do Leste Europeu

Por Daniel Salles, Beatriz Malheiros, Gislaine Bueno, Josi Basso, Mara Andrich, Otavio Corsini, Rosângela Oliveira e Vinicius Tamamoto Atualizado em 22 out 2017, 10h52 - Publicado em 21 out 2017, 04h00

Não é difícil deduzir o que mais se bebe por aqui. Basta olhar para o teto, todo revestido de lambe-lambes coloridos e bem-humorados que promovem a cerveja Original, grande parceira da casa. “Se beber, não poste”, diz um deles, com os caracteres típicos da marca. “Não deixe para amanhã a Original que você pode beber hoje”, recomenda outro. A cerveja, de 600 mililitros, sai por R$ 9,75 e a Brahma, com volume idêntico, por R$ 9,50. Fãs de rótulos artesanais podem escolher a weizen da cervejaria local Haus Dreizehn (R$ 19,50, 600 mililitros) ou a american pale ale da Way (R$ 12,00, 300 mililitros), produzida em Pinhais. Instalado no térreo do prédio da Sociedade Ucraniana do Brasil (a entrada é pelo portão à direita), o BarBaran orgulha-se de ser um dos poucos botecos da cidade a promover receitas típicas do Leste Europeu. É o caso do varenique, uma espécie de ravióli com recheio de batata e requeijão ou batata e repolho que vem coberto por molho de carne, nata ou calabresa (R$ 14,00, cinco unidades). Os molhos servem de acompanhamento para outro clássico da região da Ucrânia, o holoptchi, um charuto de repolho com trigo- sarraceno (R$ 14,00, quatro unidades). Entre os sanduíches, uma boa escolha é o que combina bolo de carne, queijo, salame defumado, pepino, raiz-forte e maionese no pão francês (R$ 10,25). Alameda Augusto Stellfeld, 799, centro, (41) 3322-2912 (120 lugares). 16h30/23h30 (sex. até 0h30; sáb. a partir das 12h; dom. 15h/21h30; fecha seg.). Aberto em 2008.

BarBaran: o clássico varenique Ligia Skowronski/VEJA

2º lugar: O Torto Bar

O burburinho na esquina das ruas Paula Gomes e Duque de Caxias indica que é do lado de fora deste boteco que o público prefere beber cerveja Original (R$ 10,00 a garrafa), enquanto saboreia bolinhos de carne (R$ 4,50) e soja (R$ 4,00) e empadinhas de frango ou palmito (R$ 5,00 cada uma). Dentro do bar decorado com recortes de jornal e fotografias de Mané Garrincha, a mesa de sinuca é disputada (R$ 1,50 a ficha). Rua Paula Gomes, 354, São Francisco, (41) 3027-6458 (25 lugares). 17h/0h30. Aberto em 2003.

 

3º lugar: Venda Armazém e Boteco

Afastado do agito, este boteco deve seu sucesso a sugestões como pizza de cebola caramelizada com pesto de manjericão (R$ 25,00) e sanduíches como o que leva tiras de mignon, molho de gorgonzola e cebola caramelizada no pão francês (R$ 20,00). Para refrescar, a cerveja Heineken custa R$ 12,00 (600 mililitros). Na trilha sonora, clássicos do jazz, do blues e do rock. Rua José Sabóia Cortes, 153, (41) 3089-2025 (20 lugares). 17h/0h (dom. 16h/23h; fecha seg.) Aberto em 2008.

Continua após a publicidade

Publicidade