Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Rainha Elizabeth autoriza união de Harry e Meghan — sem elogios a ela

Rainha esquiva-se de atribuir adjetivos à noiva no ´Instrumento de Consentimento´, como fizera com a 'confiável e muito querida' Kate Middleton em 2011

Por agência EFE Atualizado em 14 Maio 2018, 09h16 - Publicado em 13 Maio 2018, 16h51

O príncipe Harry e a atriz americana Meghan Markle estão oficialmente autorizados a subir ao altar. Com o casamento marcado para o próximo sábado, o Palácio de Kensington divulgou uma semana antes o Instrumento de Consentimento, documento no qual a Rainha Elizabeth 2ª dá o seu aval para a boda.

Por ser um documento da família real britânica, o Instrumento de Consentimento traz grafados símbolos e emblemas da Casa Real de Windsor, do Reino Unido e do País de Gales. A referência a Meghan está em uma rosa, símbolo dos Estados Unidos, e duas flores, símbolo da Califórnia, onde ela nasceu.

O perfil do palácio no Twitter divulgou uma imagem do papel escrito à mão, com uma elegante caligrafia em várias cores, e assinado no extremo superior direito pela soberana, avó do noivo. “O consentimento ao casamento entre nosso muito querido e amado neto, o príncipe Henry Charles Albert David de Gales, e Rachel Meghan Markle”, expressou-se a rainha.

A fórmula é um pouco diferente da utilizada para o casamento do príncipe William, o segundo na linha de sucessão ao trono, e Kate Middleton, em 2011. Naquele texto, a noiva foi descrita por Elizabeth 2ª como “nossa confiável e muito querida Catherine”. Meghan não ganhou adjetivos da rainha.

Elizabeth II, de 92 anos, assinou o chamado Instrumento de Consentimento em março. Ela conheceu Meghan Markle em outubro, quando o príncipe Harry a levou para tomar chá com a soberana no Palácio de Buckingham.

A assinatura do documento faz parte da tradição no Reino Unido e se remete atualmente à Lei de Sucessão à Coroa de 2013, que reformou a antiquada Lei de Casamentos Reais de 1772. A legislação antiga requeria aos descendentes de George II a permissão do monarca para se casarem.

A de 2013, em vigor desde 2015, modernizou alguns aspectos da sucessão monárquica. Mas ainda requer que os seis primeiros descendentes da Coroa peçam o consentimento da chefe de Estado antes de contrair matrimônio. A lei permite agora que um descendente real se case com uma pessoa católica, mas a impede de reinar.

O príncipe Harry, sexto na linha de sucessão, e Meghan Markle se casarão no dia 19 de maio na Capela de São Jorge, situada em terreno do Palácio de Windsor, na cidade de mesmo nome, a cerca de 32 quilômetros de Londres.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)