Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

A mostra que expõe sonho da Arábia Saudita de virar nova meca da arte

Com uma bienal em meio à sua imensidão árida, país revela o desejo de se impor como polo cultural do Oriente Médio — custe o que custar

Por Marcelo Marthe Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 8 Maio 2024, 12h42 - Publicado em 3 mar 2024, 08h00

Por séculos, a região conhecida como Mada’in Salih foi tida como amaldiçoada pela população de seu próprio país, a Arábia Saudita. Naquele território inóspito no meio do deserto, afinal, a civilização ancestral de Thamud teve final trágico — segundo o Corão, foi punida por Alá pelo culto de deuses pagãos. Não ajudou muito o fato de que em seguida o lugar foi habitado por outro povo politeísta, os nabateus, que adoravam divindades femininas e erigiram por lá uma de suas maiores cidades, a esplendorosa Hegra (a outra é Petra, na Jordânia). A localidade é belíssima, cheia de história e mistérios — mas, de forma espantosa, sua abertura a arqueólogos e turistas só ocorreu após o ano 2000, quando a ortodoxa censura religiosa no país começou a ceder. Desde então, a guinada no status da antiga terra proibida foi vertiginosa. Ela passou a ser chamada pelo nome de outra cidadezinha local, AlUla, e se converteu no bastião de um projeto que faz brilhar os olhos da família real saudita: a transformação do país em um polo de cultura, turismo e ostentação tecnológica capaz de mudar a percepção internacional sobre uma das sociedades mais fechadas do mundo islâmico.

O primeiro trunfo desse plano ambicioso acaba de chegar à terceira edição. A bienal a céu aberto Desert X nasceu na Califórnia, mas encontrou seu cenário perfeito em AlUla, onde acontece desde 2020. A versão atual se iniciou há um mês, com o brasileiro Marcello Dantas entre os curadores — e já é sucesso de crítica e de repercussão no circuito global das artes. Batizada de In the Presence of Absence (Na Presença da Ausência), ela impressiona pela escala e distribuição desconcertante das obras de quinze artistas na paisagem formada por areia e montanhas de pedra. No roteiro de quase 7 quilômetros feito para se percorrer a pé (os menos corajosos podem realizar o percurso num carrinho de golfe), depara-se com criações como The Dot (O Ponto), enigmática esfera metálica que o escultor saudita Faisal Samra colocou no fundo de um vale. Ou a instalação Reveries (Devaneios), cujas três torres imponentes — elaboradas pelos libaneses Rana Haddad e Pascal Hachem — são compostas de vasos de barro. “Caminhar pela exposição faz os humanos se sentirem pequenos perante a imensidão. Parece que você está em Marte, diante de resquícios deixados por extraterrestres”, diz o curador Dantas.

ESCALA - A instalação Reveries: beleza para espantar a fama de país opressivo
ESCALA - A instalação Reveries: beleza para espantar a fama de país opressivo (Lance Gerber/.)

O acervo da Desert X sintetiza o espírito do investimento artístico empreendido pelo governo local. Enquanto vizinhos como Dubai e Catar vêm apostando em museus urbanos, a Arábia Saudita quer usar como trunfo o visual de um território caracterizado pela amplitude e pelo vazio. Encontrou na arte contemporânea de grandes proporções — a land art — um modo de valorizar essa vocação. Nos próximos anos, AlUla vai ganhar ainda um museu de obras contemporâneas e um parque de exposições que une natureza e instalações, nos moldes do brasileiro Inhotim. “Estamos trabalhando para construir o próximo capítulo da história da arte”, afirmou a VEJA Nora Aldabal, gestora cultural de AlUla.

Essa não é a única frente na batalha da Arábia Saudita para criar seu soft power — a marca cultural que faz bem à imagem e aos negócios de qualquer nação. Dono de um quinto das reservas de petróleo do planeta, o país vem despendendo bilhões de dólares também em iniciativas audaciosas no esporte, como um campeonato com estrelas internacionais do futebol como Neymar, e os Jogos Asiáticos de Inverno de 2029 — nos quais promete até fazer nevar no deserto. Tudo isso, na verdade, é fichinha perto da megalômana The Line, futura cidade-estufa na forma de uma linha de 170 quilômetros, com previsão de 10 milhões de habitantes servidos por trem-bala e jardins luxuriantes.

Continua após a publicidade
LUXO - Quarto do resort Sharaan: 6 000 dólares para dormir como um beduíno
LUXO - Quarto do resort Sharaan: 6 000 dólares para dormir como um beduíno (./Divulgação)

Além de espantar a fama de sociedade opressiva, os sauditas visam estimular o turismo. Mas não para qualquer bolso: visitar a Desert X ou desfrutar da imensidão são programas de luxo. Em breve, será aberto em AlUla um resort do arquiteto francês Jean Nouvel que ilustra isso. O Sharaan é esculpido dentro de uma montanha, dando ao hóspede a sensação de estar nas cavernas dos beduínos. As diárias não sairão por menos de 6 000 dólares. Não há maldição que resista às novas (e caras) miragens no deserto.

Publicado em VEJA de 1º de março de 2024, edição nº 2882

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.