Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

‘A Casa do Dragão’: os erros e acertos do spin-off de ‘Game of Thrones’

Produção da HBO encerrou sua primeira temporada acendendo o fósforo que vai incendiar guerra civil entre a família Targaryen

Por Marcelo Canquerino
Atualizado em 24 out 2022, 10h45 - Publicado em 24 out 2022, 10h38

Após episódios intensos que marcaram o tão aguardado retorno ao mundo medieval de Westeros, a primeira temporada de A Casa do Dragão chegou ao final neste domingo, 23, incendiando, enfim, a guerra civil entre os herdeiros da família Targaryen. Das lições valiosas da antecessora Game of Thrones sobre o que valia a pena repetir e o que deveria ser repensado, a nova mega produção da HBO finaliza sua estreia triunfal com bons acertos, e um pequeno deslize no meio do caminho. Confira dois pontos positivos e um ponto negativo que marcaram a nova série do universo de George R. R. Martin:

Troca de elenco

ESTOPIM - Rhaenyra Targaryen (Milly Alcock): a princesa eleita sucessora desencadeia conflito familiar -
Rhaenyra Targaryen (Milly Alcock): a princesa eleita sucessora em ‘A Casa do Dragão’ desencadeia conflito familiar – (./HBO)

Ao contrário de Game of Thrones, em que os atores e atrizes cresceram junto com seus papéis, o spin-off optou por demarcar de forma acentuada a diferença de idade entre as protagonistas. A decisão ajuda a deixar momentos chocantes sob a responsabilidade do time adulto. Vale lembrar o exemplo de Sansa, vivida por Sophie Turner. Quando a personagem foi apresentada, em 2011, a atriz tinha 15 anos de idade. Não demorou para que ela virasse moeda de troca entre homens de várias casas de Westeros — sendo o pior momento quando ela é estuprada e agredida pelo tenebroso Ramsay Bolton (Iwan Rheon). Na época da cena, Sophie tinha 19 anos, mas sua personagem ainda era mais nova e o apego do público à menina fez com que muitos repudiassem a situação. Ao trocar o elenco de fases, A Casa do Dragão se livra de vez desse tipo de desconforto. Na primeira fase da série, ainda adolescentes, Rhaenyra e Alicent foram interpretadas, respectivamente, pelas ótimas estreantes Milly Alcock e Emily Carey — ambas maiores de idade na vida real. Na fase adulta e atual da produção, as duas são vividas por Emma D’Arcy e Olivia Cooke.

O carisma de Matt Smith e Paddy Considine

.
Rei Viserys (Paddy Considine) em A Casa do Dragão – (HBO/Divulgação)

É difícil encontrar séries com um elenco tão coeso e afinado quanto este de A Casa do Dragão. Mas os irmãos Viserys e Daemon Targaryes são um assunto a parte. Graças ao carisma e à potência de Matt Smith e Paddy Considine, a dupla ofereceu ao espectador uma conexão hipnotizante. Apesar do personagem todo torto e vilanesco de Smith, o ator conseguiu imprimir em Daemon um charme cativante — o que fez com que muitos escolhessem “passar aquele pano” pelas atrocidades que ele cometeu ao longo da temporada. Até mesmo a produtora e roteirista Sara Hess disse, ao The Hollywood Reporter, que ficou chocada por Daemon ter se tornado o “namoradinho da internet” — termo usado para pessoas que ficam populares e provocam suspiros nos fãs, que se manifestam sem receio de julgamento nas redes sociais. No caso de Considine, que definhou (em todos os sentidos possíveis) ao longo dos episódios, o inglês ilustrou com coragem o que acontece com um rei que é bondoso demais em um ambiente hostil como Westeros — seu próximo passo, ao que tudo indica, é vencer o próximo Emmy.

Ritmo acelerado demais 

A atriz Olivia Cooke como Alicent Hightower e Rhys Ifans como Otto Hightower na série 'The House of The Dragon' -
A atriz Olivia Cooke como Alicent Hightower e Rhys Ifans como Otto Hightower na série ‘A Casa do Dragão’ – (Ollie Upton/HBO/Divulgação)

Mesmo sendo um sucesso absoluto, Game of Thrones arrebanhou críticas por diversos pontos. Entre eles, o ritmo lento demais por várias temporadas, e muito acelerado na reta final. A Casa do Dragão foi ainda mais longe: a série engatou a quinta marcha sem pisar no freio. Para não cometer o erro da antecessora — e para cumprir o plano de finalizar a história em quatro temporadas —, a produção apostou no ritmo frenético, com saltos temporais e uma comunicação tão rápida entre as casas que faz com que o WhatsApp pareça pré-histórico. Como resultado, alguns buracos ficaram na história e personagens que poderiam ser melhor explorados foram descartados rapidamente. A relação amorosa de Daemon e Laena Velaryon foi mostrada, de forma tímida, em apenas um episódio. A filha de Corlys e Rhaenys, inclusive, foi vivida por três atrizes diferentes, sendo que as três tiveram pouquíssimo tempo de tela. O mesmo caso abateu Rhaenyra e Harwing Strong. O pai dos três filhos bastardos da princesa mal apareceu e sequer teve diálogos consistentes com a amada antes de encontrar o fim típico do mundo de Westeros.

Tá claro ou tá escuro? 

Rhaenyra e Daemon em 'A Casa do Dragão' -
Rhaenyra e Daemon em ‘A Casa do Dragão’ – (//Divulgação)

O sétimo episódio da série movimentou reclamações nas redes sociais pelas cenas escuras e com pouco contraste, difíceis de serem assimiladas pelo público. A técnica de gravação usada no capítulo é uma novidade no meio. Em vez de filmar cenas noturnas durante a noite, essa filmagem foi feita durante o dia o ganhou um filtro escurecido na pós-produção. A HBO respondeu as críticas, defendendo a “escolha artística” feita pela produção e pedindo que os espectadores assistam ao episódio em um ambiente escuro e com o brilho da TV mais forte.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.