Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

O mercado de viagens para destinos ameaçados pelo aquecimento global

Há uma onda de viajantes querendo ter experiências únicas e raras, próximas da escassez

Por Diego Alejandro
25 nov 2023, 08h00

Quem bater os olhos no anúncio poderá pensar que não passa de marketing: “Não perca a chance.” E, ao lado da promoção, imagens deslumbrantes de lugares como a Grande Barreira de Corais da Austrália, do Monte Kilimanjaro, na Tanzânia, ou das Maldivas. Mas a publicidade não mente: de fato, alguns destinos têm os dias contados. E, se as mudanças climáticas seguirem as previsões, a maioria das pessoas não terá a sorte de desfrutá-los nas férias. Pois o mercado, claro, captou quão atraentes esses lugares têm se tornado, e empresas já apostam no que chamam de turismo de última chance, nicho em ascensão que envolve visitar ambientes ameaçados de extinção. A demanda está em alta e traz um dilema: se soubesse que o destino dos seus sonhos estivesse prestes a desaparecer, compraria logo uma passagem ou evitaria o local na esperança de ajudar a preservá-lo?

MONTE KILIMANJARO - Atração na Tanzânia: neve com dias contados
MONTE KILIMANJARO - Atração na Tanzânia: neve com dias contados (J.-P. Ferrero/J.-M. Labat/Biosphoto/AFP)

Dilemas à parte, há uma onda de viajantes querendo ter experiências únicas e raras, próximas da escassez. Com o aquecimento global, haverá menos paraísos naturais em praias, montanhas e outras paragens. O caso da Grande Barreira de Corais, que cobre a costa nordeste da Austrália, talvez seja o mais sintomático. Apesar de estar mais vulnerável e correr o risco de colapso devido ao aumento da temperatura das águas, um estudo descobriu que quase 70% dos turistas já a visitam motivados pelo anseio de “ver o recife antes que acabe”. Porém, eis o paradoxo da tendência, o avanço do turismo marinho, que fomenta 64 000 empregos e contribui com 6,4 milhões de dólares por ano para a economia local, resulta em mais poluição, intensificando a acidez das águas e a morte dos corais.

VENEZA - Leis e taxas para controlar turismo: do contrário, cidade viverá alagada
VENEZA – Leis e taxas para controlar turismo: do contrário, cidade viverá alagada (Pier Marco Tacca/Getty Images)
MALDIVAS - Férias dos sonhos: destino no Pacífico está na lista de locais em risco
MALDIVAS - Férias dos sonhos: destino no Pacífico está na lista de locais em risco (Nicolas Economou/NurPhoto/Getty Images)

Cenário semelhante é o das geleiras antárticas, que cada vez mais se dissolvem e inundam os oceanos. Espera-se um crescimento de 40% nas visitas após o hiato da pandemia. Derretendo também estão os Alpes europeus e o Monte Kilimanjaro, na África, que se encontram cada vez mais abarrotados de turistas — e das pegadas de carbono que eles deixam pelo caminho. No arquipélago de Galápagos, ao largo do Equador, um aumento de 92% no número de viajantes e o desenvolvimento hoteleiro levaram a Unesco a reconhecer o turismo como ameaça. E até mesmo uma atração como Veneza, na Itália, já implementou leis e taxas a fim de controlar o entra e sai de gente e preservar o patrimônio. Com as transformações ambientais, a cidade corre o risco de estar debaixo d’água até 2100.

ANTÁRTICA - Visitas em alta: para o desespero dos biólogos
ANTÁRTICA – Visitas em alta: para o desespero dos biólogos (Johan Ordonez/AFP)

A preocupação a rondar empresas de turismo e conservacionistas é que as viagens de avião, ônibus ou navio colaboram para o efeito estufa. Não só. “Muitos destinos turísticos já nascem condenados”, afirma Reinaldo de Sá Teles, expert em turismo comunitário e professor da USP, fazendo referência à propagação de quiosques, resorts e outras estruturas que tantas vezes prejudicam os bens naturais e culturais. “É preciso criar um turismo realmente sustentável.” Vontade existe. Segundo pesquisa da plataforma Booking com 33 000 viajantes de 35 países, 66% dos brasileiros ouvidos buscam adotar práticas mais positivas ao ambiente, 90% querem viajar de forma mais consciente e respeitosa ao planeta e 55% topam pagar valores extras por opções mais ecológicas. “O planejamento das férias e o desejo de explorar novos lugares estão se adaptando às questões climáticas”, afirma Nelson Benavides, gerente da Booking no país. Nesse sentido, é melhor todo mundo se apressar.

Publicado em VEJA de 24 de novembro de 2023, edição nº 2869

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.