Veja Digital - Plano para Democracia: R$ 1,00/mês
VEJA Gente Por Valmir Moratelli Notícias sobre as pessoas mais influentes do mundo do entretenimento, das artes e dos negócios

Renato Aragão com projetos para a televisão: ‘Aposentar, jamais’

Aos 82 anos, humorista lança primeira biografia sobre a sua vida, se prepara para a gravação de um longa e tem planos para a TV no futuro

Por Lucas Almeida Atualizado em 1 dez 2017, 16h58 - Publicado em 1 dez 2017, 13h03

Aos 82 anos, Renato Aragão mantém uma agenda de trabalho cheia. Prestes a lançar a primeira biografia sobre a sua vida, o humorista natural de Sobral, no Ceará, ainda se prepara para gravar um longa com  o diretor João Daniel e afirma que tem planos para o futuro na televisão. “Quero respirar agora. Passando o lançamento da biografia e a gravação do filme, volto à luta e vou com os meus projetos para a TV. Aposentadoria, jamais”, contou a VEJA.

O livro Renato Aragão: do Ceará para o Coração do Brasil (Sextante, 304 páginas, 49,90 reais o impresso e 29,90 reais no formato digital) é a primeira biografia do cearense que ficou conhecido pela criação do personagem Didi, integrante dos Trapalhões. Escrita pelo roteirista Rodrigo Fonseca, a obra revisita toda a vida de Aragão e será lançada no próximo dia 4 de dezembro.

Uma das cenas mais emocionantes entre os relatos é o acidente de avião que sofreu em 1958. Aragão ainda era estudante de direito e viajava em um avião Curtiss C-46 quando voltava para Fortaleza depois de participar dos Jogos Universitários Brasileiros em Belo Horizonte. A aeronave se chocou com uma mata densa perto de Campina Grande, na Paraíba. A queda deixou dez mortos e diversos feridos. O humorista saiu sem sequelas, mas o acidente o marcou. “Revisitar todo o passado mexeu comigo. Remoí histórias desde a minha infância. São coisas que não costumo contar em entrevistas”, afirma.

Com contrato assinado com a TV Tupi, Renato foi morar no Rio de Janeiro em 1964 e revela: “Na época, sofri muito preconceito”. O humorista, que tinha referências do cinema, sentiu a diferença em relação aos atores de televisão, que ainda estavam acostumados com a interpretação de rádio. “As pessoas mais antigas da emissora não aceitaram meu estilo de atuação, mas os jovens viram que era um humor diferente e eu ganhei espaço. No começo, senti um rechaço das pessoas, mas foi rápido e eles engoliram.”

A nova versão de Os Trapalhões exibida em julho deste ano contou com Renato Aragão entre os roteiristas. A produção provocou discussões sobre piadas com conteúdos preconceituosos, como machismo, racismo e homofobia. “Fazíamos as piadas sem a intenção de ofender ninguém. Não tinha passado pela nossa cabeça, na época. Hoje, não vamos fazer piada de uma pessoa gorda ou magra. Isso não tem graça”, defende Aragão.

 

O humorista Renato Aragão Lilian Aragão/Divulgação

 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Plano para Democracia

- R$ 1 por mês.

- Acesso ao conteúdo digital completo até o fim das eleições.

- Conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e acesso à edição digital da revista no app.

- Válido até 31/10/2022, sem renovação.

3 meses por R$ 3,00
( Pagamento Único )

Digital Completo



Acesso digital ilimitado aos conteúdos dos sites e apps da Veja e de todas publicações Abril: Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Placar, Superinteressante,
Quatro Rodas, Você SA e Você RH.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)