Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

VEJA Gente Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO

Por Valmir Moratelli
Notícias sobre as pessoas mais influentes do mundo do entretenimento, das artes e dos negócios
Continua após publicidade

Por que ‘Terra e Paixão’ está sendo comparada a novelas mexicanas

Mauro Alencar, doutor em teledramaturgia pela USP, fala a VEJA

Por Valmir Moratelli Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 13 Maio 2024, 22h57 - Publicado em 8 ago 2023, 07h01

Nas últimas semanas têm surgido várias comparações de Terra e Paixão com novelas mexicanas nas redes sociais. Para Mauro Alencar, doutor em teledramaturgia e pesquisador pela USP, a comparação não só é válida como perceptível a cada capítulo:

Leia também‘Terra e Paixão’ ganha sacode ao ser turbinada com novos atores

Globo prepara em sigilo remake de sucesso estrondoso

“Certamente uma das produções nacionais mais mexicanizadas que já assisti. A começar pela abertura. E eu adoro. Um ótimo entretenimento em dramaturgia. As tramas, os cenários, personagens, temas musicais e até mesmo a interpretação condizente ao melodrama regional ‘nacional – mexicano’. Mas qual é o problema? Nenhum. Ainda mais nesses tempos de total interação e intercâmbio estético. Em 2004, ao defender minha tese de doutorado na USP sobre telenovela na América Latina, afirmei que o México era (e continua sendo) o maior produtor do gênero, a maior escola e a maior raiz da telenovela mundial. O Brasil, o melhor, renovador. À época, eu era consultor e pesquisador da Globo. E levei um pito de um (ex) diretor da área artística. Como diz o ditado popular, o tempo é senhor da razão. E hoje está aí o Globoplay promovendo as telenovelas de ‘nuestros hermanos’. Em outros tempos, um preconceito absoluto pelo caminho aberto por Silvio Santos em 1982, no SBT. Hoje a teledramaturgia mexicana se impõe abertamente na TV brasileira, deixando (felizmente) no esquecimento o tratamento jocoso que recebia. Difícil saber se a estética mexicana que rege Terra e Paixão é consciente ou não por parte da direção e produção, mas ela está absolutamente presente. E em muitos momentos, com sua trama rocambolesca e cheia de sobressaltos, chega a lembrar a popular obra teatral de Joaquim Manuel de Macedo, do século XIX”.

Continua após a publicidade

 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.