Assine VEJA por R$2,00/semana
Imagem Blog

VEJA Gente

Por Valmir Moratelli
Notícias sobre as pessoas mais influentes do mundo do entretenimento, das artes e dos negócios
Continua após publicidade

O que fez samba da Mocidade, de Marcelo Adnet, viralizar antes do carnaval

Além deste, o do Salgueiro também é apontado entre os melhores

Por Valmir Moratelli Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 8 Maio 2024, 17h09 - Publicado em 3 jan 2024, 14h00

Conforme a coluna já antecipou, um dos hits para o próximo carnaval é o samba da Mocidade Independente de Padre Miguel, que se tornou a música viral mais ouvida do Rio, superando nomes como Filipe Ret e MC Cabelinho no Spotify. É apontado como uma das melhores letras do ano, no enredo Pede caju que dou… Pé de caju que dá. Tudo por causa do refrão, assinado por Marcelo Adnet e outros: “Meu caju, meu cajueiro / Pede um cheiro que eu dou / O puro suco do fruto do meu amor / É sensual, esse delírio febril / A Mocidade é a cara do Brasil”. Há até um duplo sentido político na letra que tem ajudado no engajamento. Na contramão de enredos pesados, a leveza da escola se destaca no álbum. Mas há outros para se ficar atento.

Com os pés no samba e os olhos na militância, a Acadêmicos do Salgueiro faz sucesso neste pré-carnaval por outro motivo, ao abordar de forma direta a mortandade dos ianomamis, no enredo Hutukara. No refrão provocativo, canta-se: “Você quer me ouvir cantar Yanomami/ Pra postar no seu perfil/ Entre aspas e negrito/ O meu choro, o meu grito, nem a pau, Brasil!”. A Grande Rio investiu no folclore amazônico do enredo Nosso destino é ser onça. O refrão do meio lembra, e muito, o samba sobre Exu, que deu o inédito título à escola de Caxias. Faltou mais malícia na inspiração tão recente. Fechando o quarteto principal, a atual campeã Imperatriz Leopoldinense canta Com a sorte virada pra Lua, segundo o testamento da cigana Esmeralda. Leve, de fácil leitura e melódico, o samba é uma ode a antigas composições.

Gbalá: viagem ao templo da criação, clássico composto por Martinho da Vila para o carnaval de 1993, é a escolha da Vila Isabel. Segue sendo um lindo samba – reforçado pelo clichê “clássicos não envelhecem”. Porém, seu ritmo cadenciado promete ser um desafio e tanto à escola em tempos de sambas acelerados. É o tipo de letra que, se mexer um tiquinho, desanda. A conferir.

Potência nos últimos carnavais – afinal são dois vices e um terceiro lugar, além de um título nos últimos quatro anos, no meio da tabela surge Unidos do Viradouro ao defender Arroboboi, dangbé. A lenda afro dá num samba difícil, longe dos refrões-chicletes de outros tempos, mas lindo de se prestar a atenção. “Arroboboi meu pai, arroboboi Dangbê / Destila seu axé na alma e no couro” é pura vibração.

Continua após a publicidade

Nos mesmos moldes vem Porto da Pedra, ao retornar ao Grupo Especial, com Lunário Perpétuo. O enredo sobre uma publicação espanhola do século XVI ganhou levada de baião que dá vontade de saber onde é que isso vai dar. Nada sonolento, acerto da agremiação. Destaque para o trecho: “Quem acendeu as lamparinas desse céu? No Brasil os retirantes são os astros de cordel”.

Também no meio da tabela, a Mangueira podia mais com a homenagem a Alcione. Chico Buarque, Braguinha, Dorival Caymmi e Carlos Drummond de Andrade, só para citar alguns, já tiveram suas vidas eternizadas em belas letras da Verde e Rosa. Os tambores de mina do Maranhão, dessa vez, não ecoaram com vigor no Palácio do Samba. Há trechos complicados como: “Vai provar que o samba é primo do jazz / Falar de amor como ninguém faz / Nas horas incertas, curar dissabores / Feito uma loba impor seus valores”. Mas em se tratando da vida de uma das cantoras mais populares do país, nada se torna um problema a ser resolvido na Avenida. A Beija-Flor escolheu homenagear Alagoas em Um delírio de Carnaval na Maceió de Rás Gonguila, num samba que tenta a todo custo fugir da acomodada fórmula que segue há décadas. Uma pena que tenha optado por um refrão que repita “Aqui é Beija-Flor/ Doa a quem doer”.

Fechando a meiúca de bons sambas, surge Paraíso do Tuiuti, com Glória ao Almirante Negro, sobre o marinheiro João Cândido e a Revolta da Chibata, de 1910. Samba de encomenda – assinado por Moacyr Luz e outros parceiros, faltou clareza e poesia a partes como “Glória aos humildes pescadores / Yemanjá com suas flores / E o Cais da luta ancestral”.

Continua após a publicidade

Na ponta de baixo da tabela, a centenária Portela canta Um defeito de cor, inspirado no livro homônimo de Ana Maria Gonçalves. A triste melodia não é compensada por letra inspirada. Tal como se vê em: “Teu rosto vestindo o adê / No meu alguidar tem dendê / O sangue que corre na veia e Malê”. Sem falar na repetição enjoada de “nego/nega” no final da composição. Só consegue ser melhor que o samba da Unidos da Tijuca, na tentativa de se misturar Brasil e Portugal em O conto de fados. Tem o pior refrão do ano: “Roda na gira a saia de linho rendado / Que o fado vira samba, e o samba vira fado”. No mais, a sorte está lançada. A se ver pela história contada na Sapucaí, ter um bom samba é meio caminho para um desfile arrebatador.

 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.