Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
VEJA Gente Por Valmir Moratelli Notícias sobre as pessoas mais influentes do mundo do entretenimento, das artes e dos negócios

Médico explica doença rara da filha recém-nascida de Juliano Cazarré

Maria Guilhermina nasceu com cardiopatia congênita rara, chamada Anomalia de Ebstein

Por Valmir Moratelli Atualizado em 22 jun 2022, 14h55 - Publicado em 22 jun 2022, 14h50

Filha de Juliano Cazarré e Letícia Cazarré, Maria Guilhermina de Guadalupe Bastos Cazarré nasceu às 8h30 da manhã desta terça-feira, 21, em São Paulo. O ator comentou que ela tem “um coração especial”. Isso porque foi descoberto, ainda nos exames pré-natais, que ela teria uma cardiopatia congênita rara, chamada Anomalia de Ebstein. “Ao longo da gestação, os médicos perceberam que o caso dela seria um dos mais raros e graves dentro da anomalia e, por isso, decidimos vir para São Paulo para que ela pudesse nascer com a equipe mais especializada”, disse o ator, que já é pai de Vicente, Inacio, Gaspar e Maria Madalena.

VEJA ouviu o cardiologista Daniel Rabischoffsky, que explica do que se trata a Anomalia de Ebstein: “É uma doença rara que responde por cerca de 1% das cardiopatias congênitas e é caracterizada por alterações da válvula tricúspide e cavidades direitas do coração causando mau funcionamento dessa válvula e aumento do átrio direito. É comum a ocorrências de outras cardiopartias congênitas associadas. No recém-nascido, tais alterações podem causar insuficiência cardíaca e baixa oxigenação. Alguns dos fatores de risco incluem uso de drogas estabilizadoras do humor como lítio no primeiro trimestre de gestação, uso de benzodiazepínicos e história de perda fetal em gestação anterior. O ecocardiograma é o exame que exame mais útil e que define o diagnóstico. O tratamento envolve uso de drogas que reduzam a resistência vascular pulmonar visando a reduzir consequências cardiovasculares causadas pelas alterações trazidas pela doença. O tratamento cirúrgico é indicado a todas as crianças que apresentam sintomas, desde que haja estabilidade clínica. O brasileiro Jose Pedro da Silva desenvolveu em 1993 uma das técnicas consagradas no tratamento de tal anomalia conhecida com ‘cirurgia do cone’, capaz de corrigir a insuficiência da válvula tricúspide sem substituir a válvula”. Daniel é diretor-médico da Medicorp Centro médico, e cardiologista membro da sociedade brasileira de cardiologia.

View this post on Instagram

A post shared by Juliano Cazarré (@cazarre)

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)