Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
VEJA Gente Por Valmir Moratelli Notícias sobre as pessoas mais influentes do mundo do entretenimento, das artes e dos negócios

Críticas a Harry e exaltação à Rainha Elizabeth marcam memorial de Philip

Duque de Sussex afirmou não se sentir seguro depois de ter seu grau de segurança reduzido, mesmo assim sua ausência foi reprovada

Por Jana Sampaio Atualizado em 29 mar 2022, 17h24 - Publicado em 29 mar 2022, 17h21

“Patética”. Essa foi a palavra usada por Richard Griffin, ex-oficial de proteção do príncipe Philip, para comentar a justificativa dada pelo príncipe Harry para não ir ao evento em homenagem ao avô nesta terça, 29, na Abadia de Westminster, no Reino Unido. Segundo o duque de Sussex, ele optou por ficar em casa com a esposa, Meghan Markle, na Califórnia, por não se sentir seguro em seu país natal.

“O príncipe Philip era seu avô, então William obviamente teve um ótimo treinamento com ele e aprendeu com seu exemplo. Eu só espero que Harry tenha algumas dessas referências em sua mente. O fato de ele não estar aqui foi uma grande decepção para todos”, disse Griffin.

A homenagem ao príncipe Phillip, morto aos 99 anos há quase um ano, contou com a presença de quase todos os membros sênior da família real, exceto Harry. Nem mesmo a Rainha Elizabeth II, que na última semana apareceu publicamente pela primeira vez após ficar doente portando uma bengalinha, deixou de comparecer.

Harry entrou com uma ação legal contra o Ministério do Interior do Reino Unido depois que foi informado de que não receberia o mesmo nível de proteção ao deixar a família real. O membro da realeza então se oferecer para pagar pela equipe de segurança, mas recebeu um sonoro ‘não’ como resposta. Ele é esperado na Holanda daqui a duas semanas para participar da próxima edição dos Jogos Invictus.

Griffin, que trabalhou por 14 anos ao lado de Philip, sugeriu ainda que, caso estivesse realmente preocupado, Harry poderia ficar ao lado do pai e do irmão, os príncipes Charles e William.

“Toda essa bobagem sobre como ele não conseguiu proteção, no que me diz respeito, foi uma desculpa patética. Ele deveria estar aqui para homenagear seu avô. No final das contas, se ele estivesse tão preocupado com a segurança, ele poderia ter ficado com seu irmão e seu pai, que têm uma segurança maravilhosa, e ele estaria mais do que seguro”.

A última vez que Harry esteve no Reino Unido foi há oito meses. Na ocasião, ele e o irmão visitaram a estátua erguida em tributo à sua mãe, Diana, princesa de Gales, em julho passado, em Londres.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)